Revisões não revelaram pressão excessiva sobre Wauthier, diz Zurich

segunda-feira, 4 de novembro de 2013 11:28 BRST
 

ZURIQUE, 4 Nov (Reuters) - A Zurich Insurance disse nesta segunda-feira que seu vice-presidente financeiro, Pierre Wauthier, não foi submetido a "pressões excessivas" antes de ter cometido suicídio, e o presidente do conselho da empresa admitiu que não era capaz de explicar a motivação por trás da trágica decisão.

Oferecendo conclusões de uma investigação sobre a morte de Wauthier, a seguradora espera colocar uma pedra sobre dois meses turbulentos depois que o vice-presidente financeiro escreveu uma nota de suicídio dizendo que o então presidente do conselho, Josef Ackermann, o havia colocado sob pressão.

"Ainda estamos profundamente entristecidos pela perda de Pierre Wauthier e não somos capazes de explicar a motivação por trás de sua trágica decisão", disse o presidente do conselho administrativo, Tom de Swaan, em um comunicado nesta segunda-feira.

Ackermann, ex-presidente-executivo do Deutsche Bank, negou ter pressionado Wauthier mas deixou o cargo dias depois de sua morte, dizendo mais tarde que não teria sido possível cuidar de suas responsabilidades como presidente do conselho com "a determinação necessária".

Duas investigações independentes sobre o suicídio conduzidas pelo regulador do mercado financeiro suíço, a Finma, não encontraram "nenhum indício de que Pierre Wauthier foi sujeito a qualquer pressão excessiva ou inapropriada", segundo a Zurich.

(Por Silke Koltrowitz)