Dólar tem ajuste e recua ante real, mas temores fiscais persistem

quarta-feira, 6 de novembro de 2013 17:20 BRST
 

Por Marília Carrera e Bruno Federowski

SÃO PAULO, 6 Nov (Reuters) - O dólar fechou em queda ante o real nesta quarta-feira, ao fim de um pregão de altas e baixas, corrigindo parte do forte avanço da sessão anterior, mas preocupações sobre a situação fiscal do país e sobre a política monetária dos Estados Unidos mantiveram o mercado nervoso.

O dólar recuou 0,25 por cento, para 2,2835 reais na venda. Na véspera, a moeda norte-americana fechou a 2,2893 reais, com ganho de quase 2 por cento --a maior alta diária desde 21 de agosto. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 1,7 bilhão de dólares.

Apesar do alívio, investidores permaneciam receosos com a piora no cenário fiscal brasileiro, após o desempenho do setor público em setembro praticamente enterrar as chances de o governo cumprir a meta de superávit primário do ano.

"O mercado está pressionado, de olho nos índices dos Estados Unidos e no déficit fiscal do Brasil", afirmou o superintendente de câmbio da Advanced Corretora, Reginaldo Galhardo.

Em uma tentativa de acalmar os ânimos do mercado, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta manhã que o país passa por uma fase transitória de maus resultados nas contas públicas, mas que haverá recuperação nos próximos meses.

O clima de ansiedade adicionou volatilidade ao mercado. Na máxima do dia, atingida durante a manhã, a moeda norte-americana tocou 2,2981 reais, próximo ao importante nível técnico de 2,30 reais. No entanto, especulações de que o Banco Central poderia fazer intervenções adicionais no mercado de câmbio levaram o dólar a cair para 2,2696 reais na mínima do dia.

"O mercado está volátil. Tem muito movimento no mercado futuro e qualquer operação afeta a cotação", disse o diretor-executivo da NGO Corretora, Sidnei Nehme. "Mas o viés ainda é para cima, porque nossa política fiscal está muito debilitada e tem o Fed lá para frente".

À medida que o dólar aproxima-se de 2,30 reais, aumentam as expectativas de intervenções adicionais do BC, possivelmente por meio de uma rolagem antecipada dos contratos de swap cambial que vencem no início de dezembro.   Continuação...