Dow Jones e S&P 500 fecham em alta por Microsoft e Europa

quarta-feira, 6 de novembro de 2013 20:27 BRST
 

Por Angela Moon e Luke Swiderski

NOVA YORK, 6 Nov (Reuters) - O índice Dow Jones fechou na máxima histórica nesta quarta-feira, liderado por ganhos da ação da Microsoft e por dados econômicos positivos sobre a Europa. O Standard & Poor's também avançou, mas encerrou o dia pouco abaixo do recorde.

Por sua vez, o Nasdaq recuou, prejudicado por perdas na ação da Tesla Motors e com investidores preparando-se para a tão aguardada oferta inicial de ações do Twitter.

O índice Dow Jones avançou 0,82 por cento, para 15.746 pontos. O índice Standard & Poor's 500 teve valorização de 0,43 por cento, para 1.770 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq caiu 0,20 por cento, para 3.931 pontos.

O S&P 500 chegou a atingir 1.773 pontos no intradia, acima da máxima histórica de fechamento, de 1.771 pontos, estabelecida em 29 de outubro. O recorde intradia veio no dia seguinte, a 1.775 pontos.

A Microsoft foi a ação que mais subiu no Dow Jones após a Reuters noticiar que a companhia estreitou a procura pelo novo presidente-executivo para um punhado de nomes. O papel subiu 4,2 por cento, para 38,18 dólares, e chegou a atingir 38,22 dólares, o maior nível desde julho de 2000.

No entanto, outras ações de grandes empresas tecnológicas caíram. O papel da Apple perdeu 0,3 por cento, para 520,92 dólares, o do Facebook recuou quase 2 por cento, para 49,12 dólares, enquanto o papel do Google, que chegou a tocar 1.015,37 dólares na mínima do dia, fechou com alta de 0,1 por cento, em 1.022,75 dólares.

"O mercado está bastante positivo, mas esses três nomes poderosos de tecnologia estão levemente negativos", disse o vice-presidente e gestor-sênior de portfólio do Synovus Investment Advisors, Daniel Morgan.

"É interessante que essas três companhias têm tido força e fundamentos muito bons. Eu não sei se parte desse dinheiro está se movendo em antecipação ao Twitter", acrescentou ele.

Outro sinal de encorajamento veio dos dados de encomendas à indústria na Alemanha, que aumentaram mais do que o esperado em setembro na comparação mensal, o que é importante, já que o país é o motor econômico da zona do euro.