BC britânico mantém política em meio à recuperação

quinta-feira, 7 de novembro de 2013 10:28 BRST
 

LONDRES, 7 Nov (Reuters) - O Banco da Inglaterra, banco central britânico, deixou a política inalterada nesta quinta-feira, continuando com seu compromisso de manter as taxas de juros em mínima recorde até que a recuperação do país se estabeleça de modo mais firme.

O BC britânico tem mantido as taxas em mínima recorde de 0,5 por cento deste março de 2009 para sustentar uma economia afetada pela crise financeira e pelo forte peso da dívida.

A Grã-Bretanha tem desfrutado forte recuperação surpreendente desde o início do ano, superando seus pares da zona do euro e se tornando uma das economias com crescimento mais rápido entre os membros do G7.

Mas Mark Carney, o canadense que assumiu o comando do banco em julho, tem deixado claro que não quer prejudicar o crescimento ao apertar a política muito cedo.

Em agosto, o BC informou que não pensaria em elevar as taxas até que a taxa de desemprego britânica caia para 7 por cento, algo que o banco previu que não acontecerá antes de 2016.

Dada a velocidade da recente recuperação da Grã-Bretanha, muitos investidores estão apostando que o desemprego diminuirá muito mais rapidamente e esperam que o banco central britânico ajuste suas projeções quando divulgar novas projeções na próxima semana.

Conforme a economia ganha velocidade, os pedidos por mais estímulos de uma minoria das autoridades do banco central vêm se dissipando.

O BC também não alterou seu programa de compra de ativos de 375 bilhões de libras (603 bilhões de dólares), como era esperado por todos os economistas que participaram de pesquisa da Reuters.

A inflação na Grã-Bretanha está acima da meta do banco central de 2 por cento, em contraste com a zona do euro, onde a alta dos preços desacelerou para apenas 0,7 por cento. Algumas das autoridades mais conservadoras do BC britânico podem estar preocupados com o recente salto nas expectativas de inflação.

(Reportagem de Christina Fincher)