BCE reduz juros para nova mínima recorde após inflação desacelerar

quinta-feira, 7 de novembro de 2013 11:27 BRST
 

Por Paul Carrel

FRANKFURT, 7 Nov (Reuters) - O Banco Central Europeu (BCE) reduziu sua taxa básica de juros nesta quinta-feira para nova mínima recorde de 0,25 por cento, reagindo à desaceleração inesperada na inflação que ficou bem abaixo da meta do banco, o que gera temores de que a recuperação econômica da zona do euro pode ser sufocada.

O Conselho Diretor formado por 23 membros enfrentou intenso escrutínio do mercado antes da decisão desta quinta-feira, após desaceleração inesperada na inflação da zona do euro para 0,7 por cento em outubro --bem abaixo da meta do banco de logo abaixo de 2 por cento.

Pedidos de ministros do governo e da indústria --com os mais insistentes vindo da Itália-- para que o BCE afrouxasse a política a fim de ajudar a reduzir a taxa de câmbio do euro também ampliaram a pressão sobre o Conselho, embora poucos analistas esperassem mudança neste mês.

O BCE ainda manteve a taxa de depósito em zero, mas reduziu a taxa de empréstimo para 0,75 por cento, ante 1,00 por cento.

"Uau! Isso confirma o quanto o BCE mudou sob o comando de Draghi. Eles se tornaram bem proativos", disse o economista Carsten Brzeski, do ING.

Todos com exceção de um entre os 23 operadores do mercado consultados pela Reuters nesta semana esperavam que o BCE mantivesse a política na reunião desta quinta-feira, à espera de uma visão mais clara da direção que a inflação da zona do euro está tomando.

Os mercados agora voltam sua atenção para a entrevista à imprensa do presidente do BCE, Mario Draghi, a partir das 11h30 (horário de Brasília), atentos a qualquer indicação sobre se o corte marca o fim do ciclo de afrouxamento de política do BCE e o que significa para a orientação futura do banco quanto às taxas de juros.

Desde julho, o BCE tem dito que espera manter suas taxas "nos atuais níveis ou mais baixos" por um período prolongado.