November 11, 2013 / 6:33 PM / 4 years ago

Avicultores negociam com governo apoio para transporte de milho até o Sul

4 Min, DE LEITURA

Por Fabíola Gomes

SÃO PAULO, 11 Nov (Reuters) - A indústria de aves do Brasil discute com o governo a realização de leilões específicos para viabilizar o transporte do milho barato de Mato Grosso até a região Sul do país, onde estão grandes consumidores do cereal usado na produção de frangos, disse nesta segunda-feira o presidente da União Brasileira de Avicultura (Ubabef).

Representantes do setor discutirão o assunto nesta terça-feira com o Ministério da Agricultura, dando continuidade a negociações iniciadas na semana anterior.

"Há milho suficiente (no país), o que está havendo é uma falta de leilões para o Sul, porque aqui escoamos a maior parte pelo porto do Rio Grande (RS), e necessariamente haverá necessidade de 'importar' de Mato Grosso", disse à Reuters Francisco Turra.

O governo, por meio de leilões de prêmio de escoamento (Pepro), tem subsidiado o transporte de milho, especialmente de Mato Grosso, mas quem tem se benefiado por ora é o setor exportador. Com o sistema, é garantido um preço mínimo ao agricultor, desde que o transporte seja feito para as regiões indicadas no edital.

O governo precisa criar uma política para Santa Catarina e Rio Grande do Sul, os maiores produtores de carne de frango do país, disse Turra, que esteve na última sexta-feira com o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Neri Geller, para relatar o impasse vivido pelo setor na região.

Segundo ele, os dois Estados juntos precisariam de cerca de 700 mil toneladas para atender à avicultura local no curto prazo, visando atender a demanda antes da chegada de cereal da safra nova, no começo do próximo ano.

"É urgente que se promovam leilões aqui", disse Turra.

O programa do governo visa dar sustentação aos preços do produto, em benefício do agricultor, após uma safra recorde do cereal do Brasil, mas a indústria reclama que seus negócios estão sendo afetados, diante de preços mais altos da matéria-prima, em algumas regiões, como o Sul.

"O preço do milho está subindo aqui (RS), e como o preço do farelo de soja está subindo bastante... tem uma preocupação do setor, não é apenas com o milho. Precisa de uma política de regulação para o setor", disse.

Ele observou que o preço do milho em Mato Grosso está em 12 reais por saca, bem abaixo dos 27 reais a 28 reais registrados em média no Rio Grande do Sul, disse Turra, citando levantamento da Associação Gaúcha de Avicultura (Asgav).

Na terça-feira, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) fará um leilão de Pepro para apoiar o transporte de 700 mil toneladas, mas o certame exclui a entrega do cereal para os Estados do Sul.

"Este leilão não nos atende, e é por isso que nós reclamamos... ciente deste leilão, da exclusão do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, é que o setor reclamou (para o governo)", disse Turra.

O diretor-executivo da Asgav, Eduardo Santos, considera que este volume de 700 mil toneladas seria suficiente para suprir o mercado local até a entrada da próxima safra.

Segundo ele, os representantes terão reunião na terça-feira com o secretário de Política Agrícola, na qual vai pedir a realização urgente de um leilão para a próxima semana.

"Estamos em fase avançada... Isso daria uma acalmada nos ânimos. É inconcebível ter milho lá em Mato Grosso com produtor precisando vender, e nós aqui dependendo de uma política agrícola", comentou.

exportação

Do lado da exportação, o setor de carne de frango está atento aos desdobramentos no mercado chinês. Turra observou que há a expectativa de habilitação de mais cinco plantas com permissão para exportar à China.

"Há tempos nós esperamos a confirmação... Mas agora com a mexida que foi dada lá pela CNA (Confederação de Agricultura e Pecuária) e pelo vice-presidente da República (Michel Temer), a promessa foi de que teremos a habilitação destas cinco unidades", disse Turra.

Com a medida o número de plantas habilitadas poderia chegar a 29 plantas, elevando o potencial de exportação brasileira de carne de frango a 230 mil-240 mil toneladas/ano.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below