BC britânico está mais otimista mas não tem pressa de elevar juros

quarta-feira, 13 de novembro de 2013 09:48 BRST
 

Por David Milliken e Costas Pitas

LONDRES, 13 Nov (Reuters) - A taxa de desemprego da Grã-Bretanha cairá muito mais rápido do que era esperado anteriormente, devido ao fortalecimento da recuperação econômica, informou nesta quarta-feira o banco central britânico, mas destacou que não está com pressa para elevar as taxas de juros.

O presidente do BC, Mark Carney, comprometeu-se em agosto a manter as taxas de juros em mínima recorde de 0,5 por cento até que o desemprego caia para 7 por cento --algo que o BC previa que pudesse levar três anos.

Mas em um novo conjunto de estimativas econômicas, o banco central britânico informou que o desemprego pode chegar a 7 por cento nos últimos três meses de 2014, aproximadamente 2 anos antes do que era esperado em agosto.

"Pela primeira vez em um longo período de tempo não é preciso ser otimista para ver que o copo está meio cheio. A recuperação finalmente ganhou fôlego", disse Carney em coletiva de imprensa depois que o banco divulgou seu relatório trimestral de inflação.

Entretanto, o banco central destacou que seu Comitê de Política Monetária não está prestes a elevar as taxas de juros em breve, já que as forças contrárias permanecem, particularmente provenientes da zona do euro.

"A intenção do comitê é de manter a postura excepcional de estímulo da política monetária até que haja uma redução substancial no grau da fraqueza econômica", afirmou o BC.

Carney reiterou que uma queda no desemprego não será um gatilho automático para uma alta nas taxas de juros.

A libra saltou e os preços de títulos do governo britânico caíram para o nível mais baixo em quatro semanas conforme os investidores se ajustaram ao novo, e mais curto, cronograma sobre o desemprego do BC para que este considere um aumento da taxa de juros.   Continuação...