Com um ano de vigência de "Abenomics" no Japão, desafios permanecem

quinta-feira, 14 de novembro de 2013 11:43 BRST
 

TÓQUIO, 14 Nov (Reuters) - Um ano depois de o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, cativar os mercados com promessas de reanimar a fraca economia japonesa, dados mostraram que o crescimento desacelerou com força e que a política econômica de Abe, conhecida como "Abenomics", ainda precisa garantir uma recuperação duradoura.

O crescimento na terceira maior economia do mundo desacelerou no terceiro trimestre depois de liderar os países do G7 no primeiro semestre do ano, à medida que os gastos com capital, o consumo pessoal e as exportações moderaram.

Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) desta quinta-feira destacaram os sucessos iniciais do estímulo monetário e fiscal agressivo, em particular no apoio à demanda doméstica, e marcou o quarto trimestre sucessivo de crescimento, a série mais longa em três anos.

Mas também mostrou as dificuldades de traduzir o fator de bem-estar no aumento do investimento empresarial ou em salários maiores, o que, se acontecesse, indicaria que o empresariado japonês vê uma aceleração no médio e longo prazos.

O PIB japonês cresceu a uma taxa anualizada de 1,9 por cento no trimestre de julho a setembro, levemente mais rápido que o esperado pelos mercados, mas ainda fortemente mais lento que os 3,8 por cento no período de abril a junho, e do que o ritmo de 4,3 por cento no primeiro trimestre.

"Não é algo que fortalece a confiança, se o resultado for considerado um relatório provisório da saúde do "Abenomics". Olhando para frente, a chave é se a demanda doméstica pode liderar o crescimento", disse o economista-chefe executivo da Dai-Ichi Life Research Institute, Hideo Kumano.

(Reportagem adicional de Taiga Uranaka e Nathan Layne)