Sindicato rejeita acordo trabalhista com Boeing sobre 777X

quinta-feira, 14 de novembro de 2013 12:25 BRST
 

SEATTLE, Estados Unidos, 14 Nov (Reuters) - Maquinistas da Boeing rejeitaram a extensão em oito anos de um contrato trabalhista na quarta-feira para fabricar o novo avião da empresa em Washington, em uma decisão histórica que pode alterar o curso da presença de 97 anos da Boeing no Estado.

Membros da Associação Internacional de Maquinistas votaram contra o acordo, que iria assegurar estimados 20 anos de fabricação do avião 777X da Boeing, mas que encerraria o plano de pensão dos trabalhadores e elevaria os custos de cuidado com saúde.

A decisão significa que a Boeing vai considerar a construção de peças-chave do 777X, incluindo as asas, em Estados dos EUA sem sindicatos ou no Japão, onde a empresa já recebeu uma oferta.

Uma multidão de mais de 100 pessoas irrompeu em aplausos quando o resultado da votação foi anunciado, em meio a uma atmosfera carregada no salão principal do sindicato em Seattle.

A Boeing rapidamente emitiu uma declaração dizendo que havia tentado encontrar um equilíbrio entre seu desejo de construir o jato no Estado e obter o que chamou de uma estrutura de custos competitiva.

(Por Alwyn Scott e Jonathan Kaminsky)