Saga russa do potássio traz novo sócio para Uralkali

segunda-feira, 18 de novembro de 2013 14:48 BRST
 

MOSCOU, 18 Nov (Reuters) - O magnata russo Mikhail Prokhorov firmou acordo para comprar uma fatia da Uralkali, a maior mineradora de potássio do mundo, em meio a uma tentativa da Rússia de minimizar as tensões após o colapso do cartel de comercialização de potássio com Belarus, que levou à queda dos preços globais.

O acordo teve o apoio do presidente Vladimir Putin, segundo fontes próximas ao assunto, em uma tentativa de reatar os laços com o presidente de Belarus, Alexander Lukashenko.

O país aliado russo prendeu o presidente da Uralkali depois que a empresa russa desistiu do pacto comercial.

A empresa de investimentos de Prokhorov, chamada Onexim, disse nesta segunda-feira que espera completar rapidamente a compra da fatia de 21,75 por cento de Suleiman Kerimov na Uralkali.

"Se isso ajudar a estabilizar o mercado e alcançar a paz global, nós ficaríamos felizes", disse a representante da joint venture Belarusian Potash Company (BPC) Irina Savchenko à Reuters. Ela declinou comentar sobre a possível retomada do acordo comercial com a Rússia.

A brusca decisão da Uralkali levou a uma queda de 20 por cento nos preços globais de potássio, um importante insumo dos fertilizantes, levando produtores a limitarem compras enquanto esperam por novas quedas.

A russa Uralkali desmantelou a BPC, que controlava dois quintos do comércio mundial de potássio, de 20 bilhões de dólares, ao abandonar a parceria com Belarus.

O Brasil é grande consumidor do ingrediente, importando cerca de 90 por cento de sua demanda anual por potássio.

(Reportagem adicional de Darya Korsunskaya, Alexei Anishchuk, Gleb Stolyarov, Vladimir Soldatkin, Megan Davies em Moscou, e Andrei Makhovsky em Minsk)