ENTREVISTA-Presidente da JBS descarta venda de ativos para reduzir dívida

quarta-feira, 20 de novembro de 2013 15:54 BRST
 

Por Guillermo Parra-Bernal

NOVA YORK, 20 Nov (Reuters) - A eficiência em custos e sinergias decorrentes da integração de mais de uma dúzia de aquisições feitas desde 2007 vão ajudar a brasileira JBS, maior frigorífico do mundo, a cumprir as metas de dívida autoimpostas até o final do próximo ano, sem alienação de ativos, disse seu presidente-executivo, Wesley Batista, nesta quarta-feira.

A dívida líquida deve cair no próximo ano para um pouco abaixo de 3 vezes o Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) anual, ante 4,03 vezes no fim de setembro deste ano, disse Batista em uma entrevista em Nova York.

A melhora da geração de caixa, impulsionada pelo impacto do enfraquecimento do real sobre exportações, deve ser o principal fator sobre a tendência de redução da dívida, disse ele.

Após a compra da marca de alimentos processados Seara neste ano da rival Marfrig, a JBS se tornou não apenas a maior produtora mundial de carne bovina, mas também de aves. Excluindo a dívida assumida após a compra da Seara, o nível de alavancagem da JBS já está "bem dentro de 3 vezes, e deve cair um pouco mais", disse Batista.

Nenhum desinvestimento de ativos será necessário para atingir uma relação de dívida líquida sobre Ebitda de 3 vezes, afirmou Batista, porque todas as unidades do JBS estão agora totalmente integradas e contribuindo para a rentabilidade e controle de custos.

"Todos os ativos são estratégicos e cumulativos, então eu não vejo por que deveríamos alienar qualquer bem para cumprir as metas de redução da dívida", disse o executivo, que também é membro da família controladora da empresa. A companhia não vê necessidade de explorar o mercado de bônus" neste momento "para refinanciar vencimentos ou dívida mais cara", acrescentou.

A receita da JBS para reduzir a dívida "é simples:.. nosso objetivo é gerar mais caixa que vai nos permitir pagar a dívida mais rapidamente. Estamos fazendo nosso dever de casa nesse assunto - o Ebitda está crescendo de forma saudável, as margens estão sendo protegidas, nós somos mais competitivos agora do que há alguns anos", disse ele.

Batista afirmou também que, para manter a JBS competitiva, é importante que o real se mantenha próximo aos níveis atuais ou que enfraqueça ainda mais no próximo ano. O real acumula queda de quase 10 por cento ante o dólar neste ano, até o momento. Nos últimos meses, a moeda chegou a tocar o menor nível desde a crise financeira global de 2008.   Continuação...

 
Wesley Batista, presidente-executivo da JBS, fala à Reuters durante o Reuters Latin American Investment Summit em São Paulo em 2011. A eficiência em custos e sinergias decorrentes da integração de mais de uma dúzia de aquisições feitas desde 2007 vão ajudar a brasileira JBS, maior frigorífico do mundo, a cumprir as metas de dívida autoimpostas até o final do próximo ano, sem alienação de ativos, disse seu presidente-executivo, Wesley Batista, nesta quarta-feira, dia 20 de novembro de 2013. 25/03/2011 REUTERS/Paulo Whitaker