21 de Novembro de 2013 / às 21:43 / 4 anos atrás

BR Properties vende galpões à WTGoodman por R$3,18 bi; ações disparam

RIO DE JANEIRO, 21 Nov (Reuters) - A BR Properties fechou o maior acordo de venda de ativos de sua história, fazendo suas ações dispararem mais de 7 por cento nesta quinta-feira. A companhia de investimentos em imóveis comerciais concordou em vender 34 imóveis industriais e de logística para o grupo WTGoodman por 3,18 bilhões de reais.

"Apesar de gostar dos ativos -não víamos nenhum problema neles -, o preço nos pareceu bastante interessante e por isso acabamos vendendo", disse à Reuters o diretor financeiro e de relações com investidores da BR Properties, Pedro Daltro.

A WTGoodman é uma joint-venture entre a construtora brasileira WTorre e a australiana Goodman, criada em novembro do ano passado.

A BR Properties vai usar os recursos da venda, que será paga à vista e em dinheiro, para reduzir sua dívida líquida, recomprar ações e pagar dividendos extradordinários.

Segundo Daltro, a divisão destes recursos vai depender da negociação da dívida com credores. No fim do terceiro trimestre a dívida líquida da BR Properties era de 4,5 bilhões de reais, ou 5,2 vezes o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês). Para o executivo, o patamar ideal para esta relação é de 4,5 vezes.

"A gente vai pagar as dividas mais caras", afirmou Daltro, em teleconferência com analistas.

O executivo disse que parte dos recursos da venda dos galpões pode ser usada na eventual compra de ativos, se surgir oportunidade. "Mas não tem nada no curto prazo no radar".

A expectativa é de que o negócio seja fechado entre 60 e 90 dias, disse Daltro, sujeita a aprovações regulatórias e ajustes no valor da transação após diligência da WTGoodman nos ativos.

SALTO

As ações da companhia subiram forte após o anúncio do negócio, chegando a subir perto de 9 por cento. Os papéis encerraram o pregão em alta de 7,57 por cento, maior alta do Ibovespa, que caiu 0,65 por cento.

A venda envolve 100 por cento dos ativos imobiliários de galpões industriais e de logística de propriedade da BR Properties, que encerrou o terceiro trimestre com queda de 65 por cento no lucro líquido na comparação anual.

Em relatório, o Credit Suisse considerou a transação atraente mas que o negócio marca a saída da empresa do segmento industrial "que, na nossa visão, apresenta perspectivas melhores que o mercado de escritórios de São Paulo".

Segundo o Credit, o mercado de escritórios de São Paulo vai representar 35 por cento das receitas da empresa após o negócio, de 25 por cento atualmente. Segundo Daltro, o nível de vacância no mercado de escritórios diminuiu desde setembro.

Segundo ele, apesar de vender todos os ativos no segmento, a BR Properties não pretende abandonar os negócios com galpões e imóveis logísticos.

"No curto prazo a gente está saindo. É um setor que a gente gosta e pode voltar no futuro, se aparecerem alternativas atraentes", disse o executivo. (Por Juliana Schincariol)

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below