Conselho do BC do Japão está menos convencido de meta de preços--ata

terça-feira, 26 de novembro de 2013 08:39 BRST
 

Por Leika Kihara

TÓQUIO, 26 Nov (Reuters) - Alguns membros do Conselho do banco central do Japão buscaram no mês passado flexibilizar a meta de inflação do BC devido a preocupações quanto a riscos, tais como aumentos lentos no investimento empresarial e nos salários.

Na reunião de política de 31 de outubro, o BC informou em relatório bianual que os riscos à perspectiva econômica estão rigorosamente balanceados e que o Japão está fazendo progresso regular na direção de alcançar sua meta de inflação de 2 por cento em aproximadamente dois anos.

Mas a ata da reunião mostrou divergência entre os nove membros do Conselho quanto à meta de inflação, com os pessimistas duvidando que as empresas irão impulsionar os gastos de capital e os pagamentos regulares de modo rápido o suficiente. A ata foi divulgada pelo BC japonês nesta terça-feira.

Foi a maior divergência no Conselho desde que o presidente do banco central, Haruhiko Kuroda, anunciou o estímulo monetário agressivo em abril para atingir a meta de inflação.

Dois membros do Conselho veem que a inflação ao consumidor já atingiu o pico, porque o efeito do iene mais fraco, que infla os custos de importação, estaria diminuindo.

Os membros do Conselho Takehiro Sato e Takahide Kiuchi repetiram sua dissidência mostrada em abril contra o cronograma de dois anos para alcançar 2 por cento de inflação, com a visão de que esse horizonte é ambicioso demais para um país que sofre com a deflação por quase duas décadas.

Sato propôs mudança na promessa de inflação para dizer que tais níveis de preço ainda serão "pressupostos". Kiuchi quis revisar a meta de preço e o estímulo do banco central depois de dois anos. Ambas as propostas foram recusadas pelo Conselho.