Governo central precisa fazer superávit de R$ 40 bi em novembro e dezembro para atingir meta fiscal

quinta-feira, 28 de novembro de 2013 20:22 BRST
 

Por Luciana Otoni

BRASÍLIA, 28 Nov (Reuters) - O superávit primário fraco do governo central em outubro, divulgado nesta quinta-feira, deixou o governo com a obrigação de fazer economia nos dois últimos meses do ano de 39,6 bilhões de reais --valor superior ao superávit acumulado até outubro-- se quiser atingir o alvo.

Mesmo assim, o governo ainda está confiante que conseguirá cumprir a sua parte da meta fiscal ajustada para o setor público consolidado --governo central, Estados, municípios e empresas estatais--, de 110,9 bilhões de reais, equivalente a 2,3 por cento do Produto Interno Bruto (PIB).

"Esperamos superávit histórico em novembro e superávit forte também em dezembro", disse nesta quinta-feira o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, acrescentando que novembro e dezembro registrarão superávits de dois dígitos.

No mês passado, o governo central --formado pelo Tesouro, Previdência e Banco Central-- registrou superávit de 5,4 bilhões de reais, no pior resultado para meses de outubro desde 2004, de acordo com dados divulgados pelo Tesouro nesta quinta-feira.

No acumulado do ano, a economia para o pagamento dos juros da dívida soma 33,4 bilhões de reais-- 48,2 por cento ou 31,1 bilhões de reais a menos que o superávit registrado nos dez primeiros meses de 2012.

"Nossa projeção é de cumprimento da meta de 73 bilhões de reais", disse Augustin, em referência ao objetivo do governo central.

O melhor resultado para meses de novembro foi registrado em 2009, quando o superávit primário chegou a 10,7 bilhões de reais. No ano passado o resultado de dezembro, que normalmente é mais robusto que o de novembro, foi recorde para a série histórica iniciada em 1997, com superávit de 28 bilhões de reais.

RECEITAS EXTRAS   Continuação...