CENÁRIOS-Empresas devem ser mais agressivas em leilões após domínio da Odebrecht

sexta-feira, 29 de novembro de 2013 17:16 BRST
 

Por Roberta Vilas Boas

SÃO PAULO, 28 Nov (Reuters) - As empresas derrotadas nos últimos leilões de logística do governo federal devem adotar postura mais agressiva nas próximas licitações, após a Odebrecht Transport ter levado duas importantes concessões --um aeroporto e uma rodovia-- com propostas consideradas ousadas e que surpreenderam.

Embora muitos analistas tenham avaliado como positiva a postura de companhias listadas na Bovespa de não comprometer seus balanços até aqui, há quem acredite que a necessidade de adicionar novos ativos ao portfólio leve algumas delas a se tornar mais agressivas.

Além disso, no caso das rodovias o governo refez o cronograma de licitações e está priorizando os ativos considerados mais atrativos --ou seja, quem ficar fora agora terá que se contentar com trechos mais complexos de estradas e com possível retorno financeiro menor.

A subsidiária do grupo Odebrecht venceu em 22 de novembro a disputa pelo aeroporto do Galeão (RJ) com um lance de 19 bilhões de reais, quase quatro vezes o lance mínimo e mais de 30 por cento superior à segunda melhor oferta. E arrematou em 27 de novembro trecho da BR-163 (MT) com deságio de 52 por cento sobre o pedágio máximo definido pelo governo.

"O que surpreendeu foi eles levarem Galeão e logo depois darem um deságio agressivo pela rodovia", disse o analista Bruno Di Giacomo, do Banco Fator. "O sucesso dos leilões fomenta o interesse das outras companhias. Agora pode-se esperar uma postura mais agressiva das outras companhias."

A Triunfo Participações --que administra aeroportos, portos e rodovias, além de ter ativos de energia-- possui três concessões de estradas no Sul e Sudeste com vencimento já entre 2017 e 2021, segundo dados da Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR).

"A Triunfo só tem três rodovias, com prazo muito curto. Acredito que a empresa vai vir pesado nos próximos leilões", afirmou um analista que não quis se identificar.

Além da Triunfo, o analista acredita que a Invepar deve vir de forma mais agressiva para incorporar mais estradas a seu portfólio, que atualmente inclui a concessão das rodovias Raposo Tavares (SP) e Santos Dumont (RJ).   Continuação...