Parecer do Cade vê concentração alta em fusão Kroton-Anhanguera

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013 08:40 BRST
 

SÃO PAULO, 4 Dez (Reuters) - A Superintendência Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) recomendou impugnação do processo de fusão entre as empresas de educação Kroton e Anhanguera, citando preocupação concorrencial decorrente da operação que pode criar a maior empresa do setor no mundo.

Em comunicado ao mercado, as empresas afirmaram que tentarão buscar uma solução negociada para que a união das companhias seja aprovada pelo tribunal do Cade, que não está vinculado ao parecer emitido pela superintendência geral do órgão.

Com a avaliação da superintendência, o caso será submetido ao tribunal do Cade nos próximos dias para que avalie "eventuais remédios, impostos ou via de acordo com as partes, que solucionem os problemas concorrenciais identificados", afirmaram as empresas.

A recomendação ocorreu depois que em meados de outubro o Cade considerou a união como complexa e determinou uma análise mais aprofundada da operação anunciada no final de abril e que criaria um grupo com valor de 13 bilhões de reais.

Segundo Kroton e Anhanguera, no cenário municipal as recomendações do parecer indicam que uma eventual restrição no segmento de ensino presencial representaria 2,7 por cento do total de alunos das companhias na graduação presencial. No segmento de ensino à distância, haveria "necessidade de intervenção em 171 mercados/cursos, localizados em 55 municípios distintos".

O parecer afirma que haveria "um total de 51.150 alunos (das empresas) nesses mercados", sendo 26.964 alunos da Anhanguera e 23.996 alunos da Kroton, o que representa, respectivamente, 6,9 e 6,2 por cento do total de alunos de ambos os grupos em graduação à distância.

Já do ponto de vista nacional, o parecer identificou elevado grau de concentração no ensino à distância com a união das companhias.

(Por Alberto Alerigi Jr.)