5 de Dezembro de 2013 / às 10:53 / 4 anos atrás

É "apropriada" continuidade do ritmo de ajuste monetário, mas efeitos têm defasagens--Copom

Sede do Banco Central em Brasília. Ao mesmo tempo em que repetiu ser "apropriada" a manutenção do ritmo de ajuste monetário "ora em curso" e que deve-se manter "especialmente vigilante", o Banco Central ponderou que a transmissão dos efeitos da política monetária "ocorre com defasagens", por meio da ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgada nesta quinta-feira. 22/09/2011. REUTERS/Ueslei Marcelino

Por Patrícia Duarte

SÃO PAULO, 5 Dez (Reuters) - Ao mesmo tempo em que repetiu ser “apropriada” a manutenção do ritmo de ajuste monetário “ora em curso” e que deve-se manter “especialmente vigilante”, o Banco Central ponderou que a transmissão dos efeitos da política monetária “ocorre com defasagens”, indicação de que pode reduzir seu ritmo de aperto da Selic agora.

Por meio da ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgada nesta quinta-feira, o BC também deu sinais de que a atividade econômica não está se recuperando tanto, ao mesmo tempo em que melhorou seu cenário para a inflação.

Isso significaria que o ciclo de aperto monetário iniciado em abril, e que já levou a Selic a 10 por cento ao ano, pode ser encerrado em janeiro com mais uma elevação de 0,25 ponto percentual, com o BC preocupado com a atividade econômica. Mas, como a ata ainda faz referências importantes sobre o atual ritmo de aperto, não descarta-se mais uma alta de 0,50 ponto.

“Em momentos como o atual, a política monetária deve se manter especialmente vigilante, de modo a minimizar riscos de que níveis elevados de inflação, como o observado nos últimos doze meses, persistam no horizonte relevante para a política monetária. Ao mesmo tempo, o Comitê pondera que a transmissão dos efeitos das ações de política monetária para a inflação ocorre com defasagens”, trouxe o documento.

A ata refere-se à reunião da semana passada do Copom, quando elevou a Selic em 0,50 ponto percentual, mantendo o ritmo de aperto monetário mas, ao alterar o seu comunicado, deixou em aberto seus próximos passos.

“As expectativas de inflação são mais favoráveis do que em outras atas... E as expectativas do mercado estabilizaram em torno de 5,8 por cento e, o que me parece, é que está bom (para o BC)”, afirmou o economista-chefe do banco Fator, José Francisco Gonçalves, para quem a Selic será elevada em 0,25 ponto no mês que vem e, a partir daí, ficar estável.

Pela ata, o BC também reduziu sua projeção para a inflação em 2013 pelo cenário de referência, mas permanece acima da meta do governo, de 4,5 por cento pelo IPCA, com margem de 2 pontos percentuais para mais ou menos. Para 2014, a estimativa não mudou, mantendo-se acima da meta. Já para o terceiro trimestre de 2015, a inflação se posiciona acima da meta.

No cenário de referência, o BC usou como parâmetros o dólar a 2,30 reais, sendo que antes via a moeda norte-americana a 2,20 reais.

“Ele (BC) provavelmente sinaliza que vai reduzir o ritmo na próxima reunião. O fato de ter ponderado que a transmissão de politica monetária ocorre com defasagens, mas junto com isso mantendo o especialmente vigilante, sinaliza que deve reduzir o ritmo de 0,50 para 0,25 ponto. Mas deixou aberto”, afirmou o economista da Franklin Templeton Vagner Alves, para quem a Selic deve ir a 10,75 por cento nesse ciclo, com três altas de 0,25 ponto, dependendo do câmbio.

Ainda dentro do cenário de inflação, o BC também manteve sua projeção de aumento dos preços da gasolina em 5 por cento neste ano. Na semana passada, a Petrobras anunciou reajuste de 4 por cento nas refinarias, dentro do já esperado pela equipe econômica e, por isso, sem força para alterar a política monetária.

ATIVIDADE

o Copom informou ainda que a demanda agregada tende a se mostrar “relativamente robusta”, com o consumo das famílias em expansão e um cenário melhor para investimentos, com a concessão de serviços públicos e ampliação das áreas de exploração de petróleo. Neste contexto, no entanto, ressaltou que a demanda agregada pode ser contida pelo frágil cenário internacional.

“Esses elementos... são partes importantes do contexto no qual decisões futuras de política monetária serão tomadas, com vistas a assegurar a convergência tempestiva da inflação para a trajetória de metas”, trouxe a ata.

Na ata anterior, de outubro, o Copom também mencionava que a produção industrial, e não apenas os investimentos, seria beneficiada pelas concessões e afins. Para Gonçalves, do Fator, essa mudança é uma indicação de preocupação do BC com a economia.

Apesar de ter crescido em outubro passado, a produção industrial ainda não dá sinais de recuperação mais robusta, enquanto que o Produto Interno Bruto (PIB) do país decepcionou e recuou 0,5 por cento no trimestre passado, levando parte do mercado a acreditar que o ciclo de aperto monetário possa ser mais brando.

No mercado futuro de juros, a reação à ata do Copom foi de elevação nas taxas de DIs mais curtas, com aumento das apostas de que a Selic possa ser elevada em 0,5 ponto percentual em janeiro.

Reportagem adicional de Silvio Cascione; Edição de Camila Moreira

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below