Órgão agrícola chinês acalma expectativas sobre reforma agrícola

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013 13:30 BRST
 

PEQUIM, 5 Dez (Reuters) - As novas reformas rurais na China não devem chegar a dar carta branca às empresas comerciais para comprar terras e devem focar mais na criação de fazendas familiares maiores, disse o principal órgão agrícola do país em comentários publicados nesta quinta-feira.

A China revelou no mês passado seu mais ousado plano ​​de reforma agrária em décadas, permitindo oficialmente que terras agrícolas de propriedade coletiva, um legado da economia planejada, possam ser transferidas, alugadas ou agrupadas, mas as autoridades pediram cautela, dizendo aos governos locais para não "agir apressadamente".

O chefe do grupo de trabalho do Partido Comunista para assuntos rurais, Chen Xiwen, disse ao jornal oficial Diário do Povo que as reformas agrárias tinha sido "mal interpretadas", e que "pré-condições e restrições claras" irão guiar a reorganização.

A prioridade para o país mais populoso do mundo é garantir terras suficientes e mão de obra rural para manter a segurança alimentar, após décadas de expansão industrial e um êxodo dos trabalhadores rurais para as cidades.

(Reportagem de David Stanway e Niu Shuping)

 
Nova moradora urbana, que se mudou recentemente para um apartamento no complexo residencial no plano de fundo, planta vegetais em uma área aberta em Hefei, na província de Anhui. As novas reformas rurais na China não devem chegar a dar carta branca às empresas comerciais para comprar terras e devem focar mais na criação de fazendas familiares maiores, disse o principal órgão agrícola do país em comentários publicados nesta quinta-feira. 12/10/2013 REUTERS/Stringer