Montadoras de veículos do país se aproximam de 1ª queda em uma década

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013 17:33 BRST
 

Por Alberto Alerigi Jr.

SÃO PAULO, 5 Dez (Reuters) - A indústria de veículos do Brasil pode ver queda de vendas pela primeira vez em 10 anos em 2013 e se prepara para um 2014 com alta de custos, redução de estímulos do governo, bancos pouco interessados em ampliar crédito, além de concorrência maior entre montadoras no país.

O setor, que reduziu em setembro a expectativas de vendas em 2013 para crescimento de 1 a 2 por cento, tem no acumulado até novembro queda de 0,8 por cento nos licenciamentos e torce para que um possível pico de vendas em dezembro ajude a evitar um ano negativo. A Anfavea esperava anteriormente crescimento de até 4,5 por cento nas vendas este ano, o que marcaria o sétimo recorde anual consecutivo.

"O crédito continua muito difícil, bastante seletivo em veículos leves, apesar da inadimplência estar caindo", afirmou Luiz Moan, presidente da associação de montadoras, Anfavea, nesta quinta-feira.

"Acredito que pode haver um empate técnico (sobre as vendas de 2012). Empate num volume extremamente favorável que nos mantém como quarto maior mercado do mundo", acrescentou Moan.

Diante das vendas abaixo do esperado, a produção segue desacelerando desde agosto e grande parte das montadoras deve conceder férias coletivas a partir do dia 20.

O movimento contraria o ocorrido em 2012, quando o setor estava aquecido pela correria de consumidores que buscavam aproveitar desconto maior do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), elevado em parte no início deste ano.

Até novembro, a produção acumula alta de 11,8 por cento, praticamente em linha com a expectativa da Anfavea de alta de 11,9 por cento. Parte do crescimento ocorreu por substituição de importações e maiores exportações, após medidas do governo para incentivar a produção nacional e desvalorização do real.

BOM, NÃO EXCELENTE   Continuação...