Governo tenta reduzir filas com agendamento de caminhões em Santos

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013 17:56 BRST
 

BRASÍLIA, 11 Dez (Reuters) - O governo federal lançou nesta quarta-feira um programa para tentar resolver os problemas de escoamento de carga no porto de Santos (SP), que causaram filas e congestionamentos no pico do escoamento da última safra, no primeiro semestre, além de atrasos na exportação de produtos agrícolas.

Santos é o principal porto da América Latina e o mais importante no escoamento de grãos e açúcar no país.

O sistema deverá funcionar de maneira similar ao que existe no porto de Paranaguá (PR), que já utiliza uma rede eletrônica de agendamento, impedindo o acesso de caminhões que não agendaram sua entrada no terminal, disse o ministro da Secretaria de Portos (SEP), Antônio Henrique Silveira.

"Temos certeza que esse sistema tem potencial para evitar esses incidentes anteriores, como em Paranaguá. Nós estamos puxando para Santos uma lógica já experimentada em outros portos. Temos esperança de que isso vá mitigar a situação que vimos em anos anteriores", afirmou Silveira.

Os terminais portuários vão informar ao sistema Portolog -- software desenvolvido pela SEP--, com sete dias de antecedência, a quantidade de veículos que espera receber, disse o ministro.

Depois, as empresas deverão solicitar o agendamento de acesso ao porto, informando o tempo mínimo e máximo de acesso ao pátio de triagem da Baixada Santista, onde os caminhões agendados ficarão esperando o momento de se deslocarem até a região das docas.

Cargas não agendadas serão retidas em pátios no planalto, na região metropolitana de São Paulo, até que se regularize a situação.

O projeto do governo é instalar pátios em Campinas e Ribeirão Pires, mas as obras nos locais ainda não começaram.

Nestes locais, os caminhões deverão ser recebidos e informados sobre o horário de saída e chegada dos navios, para dar continuidade ao processo de descarregamento.   Continuação...