Exportações e programa do governo impulsionam preços domésticos do milho

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013 15:23 BRST
 

Por Gustavo Bonato

SÃO PAULO, 13 Dez (Reuters) - Os preços do milho no mercado físico brasileiro se recuperaram nas últimas semanas, impulsionados por exportações aquecidas, câmbio favorável e programas do governo para incentivo ao escoamento.

O indicador Esalq/BM&FBovespa do milho, medido em Campinas (SP) e que serve de referência para negócios em bolsa, acumula alta de mais de 6 por cento desde o início de novembro, com a saca de 60 kg cotada a 26,29 reais na quinta-feira.

Em Sorriso (MT), no coração da principal região produtora de milho do país, os preços dispararam 33 por cento desde o início de novembro. A saca foi negociada a 12,8 reais na quarta-feira, segundo o Cepea.

"O embarque deste ano será recorde, vai superar o ano passado. Isso surpreende a todos. Esperava-se que, com a safra dos EUA, os embarques despencassem", disse o analista da consultoria Safras & Mercado, Paulo Molinari.

Até o momento, o Brasil embarcou 24,4 milhões de toneladas, acima do recorde de 19,77 milhões de toneladas do ano passado, superado já no início de novembro, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

Outubro e novembro foram os meses com maior volume de exportações do cereal em 2013, com 3,9 milhões de toneladas embarcadas em cada um.

As vendas externas têm sido favorecidas por um real mais desvalorizado frente ao dólar --que torna o milho brasileiro competitivo-- e por uma forte demanda internacional, após uma quebra de safra nos Estados Unidos em 2012/13.

"Tem países que costumam comprar dos EUA que ainda estão finalizando compras com milho do Brasil", disse o analista Aedson Pereira, da Informa Economics FNP.   Continuação...