Indústria de ração animal do país vê estabilidade na produção em 2013

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013 17:38 BRST
 

SÃO PAULO, 13 Dez (Reuters) - A indústria de ração animal do Brasil, grande consumidora da produção agrícola nacional, deve encerrar o ano com volume produzido de 63 milhões de toneladas, semelhante ao registrado em 2012, um ano de retração para o setor, previu nesta sexta-feira o Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal (Sindirações).

"A estabilidade deve ser mantida, talvez um sutil crescimento, caso o segmento de avicultura de corte tenha forte resposta nos últimos três meses", disse o vice-presidente executivo do sindicato, Ariovaldo Zani, em nota.

A produção de rações para aves, suínos e bovinos de corte registrou retração nos nove primeiros meses do ano na comparação com o mesmo período de 2012, em meio a uma perda de competitividade e produtividade das cadeias de produção animal, disse nesta sexta-feira a entidade que reúne as indústrias de rações do país.

A queda tem sido compensada por outros setores, menos representativos na cadeia, como as rações para produção de ovos e de leite.

Nos nove primeiros meses do ano, a produção de rações para aves de corte recuou 1,3 por cento ante 2012, para 22,1 milhões de toneladas. No mesmo período, a produção destinada à suinocultura recuou 0,6 por cento, para 10,89 milhões de toneladas.

Para o Sindirações, em 2012 o retrocesso do setor foi motivado pela alta dos preços do farelo de soja e do milho, escassez de capital de giro e recuperações judiciais de produtores descapitalizados, entre outros fatores.

Agora, em 2013, a perda de competitividade e produtividade das cadeias de produção animal comprometeram a esperada recuperação, disse a entidade.

"A alta expressiva do milho e da soja verificada no segundo semestre de 2012 descapitalizou os produtores e imprimiu queda generalizada na produtividade das matrizes de ovos férteis", disse a entidade, ressaltando que a demanda da avicultura de corte recuou principalmente por causa da escassa oferta de pintainhos para alojamento.

A expectativa é que um consumo maior de rações nos últimos três meses do ano, impulsionado pela maior produção de aves e suínos para as festas de final de ano, ajude a compensar a queda dos nove primeiros meses.

(Por Gustavo Bonato)