Empresas brasileiras seguirão sob pressão em 2014, diz Fitch

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013 14:40 BRST
 

16 Dez (Reuters) - As companhias da América Latina enfrentarão desafios em 2014, e entre elas, as brasileiras permanecerão sob pressão, avaliou a agência de classificação de risco Fitch, em relatório nesta segunda-feira.

"A Fitch está pessimista sobre a habilidade das empresas brasileiras fortalecerem seus perfis de crédito durante 2014 devido às condições econômicas fracas", disse em nota o diretor da agência, Joe Bormann.

As principais preocupações permanecem o declínio do crescimento do crédito, uma maior cautela do consumidor e baixa capacidade de utilização em certas indústrias.

Do lado positivo, o risco de calotes é baixo, devido às fortes posições de liquidez e a ausência de derivativos tóxicos, acrescentou a Fitch.

Em toda a América Latina o número de rebaixamento de ratings, pela Fitch, foi maior do que o de melhora das classificações. Em toda a região, 24 emissões tiveram perspectivas negativas, e apenas sete foram positivas.

Nove das perspectivas negativas foram para empresas localizadas na Argentina, que continua a enfrentar inflação alta, intromissão do governo e incertezas econômicas.

Já no Chile, o risco de aquisição ainda é alto, enquanto empresas daquele país continuam a financiar aquisições internacionais com dívida.

A Fitch vê uma perspectiva estável para a economia peruana, enquanto para a Colômbia é de estável para levemente positiva e para o México é levemente positiva.