Governo desiste de adiar exigência de airbag e freios ABS em automóveis a partir de 2014, dizem fontes

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013 20:59 BRST
 

BRASÍLIA, 16 Dez (Reuters) - O governo brasileiro desistiu de adiar a aplicação da exigência para que todos os automóveis saiam de fábrica com mais itens de segurança, e reduzirá as alíquotas do Imposto de Importação sobre peças e componentes para amenizar um possível aumento nos preços dos veículos, disseram à Reuters duas fontes governamentais nesta segunda-feira.

Preocupado com uma redução na demanda por carros, o governo estava considerando adiar as normas de segurança, que obrigam as montadoras locais a colocar airbags e sistemas de freios ABS em todos os veículos novos a partir de 2014.

"Não haverá nenhum adiamento", disse um alto funcionário diretamente envolvido nas negociações e que pediu para não ser identificado.

"Grande parte do impacto (nos preços) já aconteceu este ano, o seu efeito será marginal em 2014. Vamos reduzir o Imposto de Importação a 2 por cento em peças e equipamentos relacionados. "

Outra autoridade do governo com conhecimento do assunto confirmou a decisão.

As alíquotas do Imposto de Importação de autopeças e equipamentos variam atualmente entre 14 e 18 por cento, de acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comercio Exterior.

Carros mais caros poderiam impactar as vendas num momento em que o governo da presidente Dilma Rousseff luta para alavancar a economia e reduzir a inflação, a menos de um ano antes da eleição presidencial em que é amplamente favorita para vencer.

O governo aumentou as tarifas sobre carros importados e reduziu os impostos para as montadoras locais para manter em alta um dos únicos motores restantes da indústria brasileira e que demanda grande volume de mão-de-obra.

O mercado de automóveis do Brasil tem sido chave para as maiores montadoras do mundo nos últimos anos, incluindo a italiana Fiat e a norte-americana Ford.   Continuação...