Preços ao consumidor dos EUA ficam inalterados em novembro

terça-feira, 17 de dezembro de 2013 12:20 BRST
 

WASHINGTON, 17 Dez (Reuters) - Os preços ao consumidor dos Estados Unidos ficaram inalterados em novembro, mas uma recuperação na taxa anual de inflação ante mínima em quatro anos provavelmente dará ao Federal Reserve, banco central dos EUA, apoio para começar a reduzir o estímulo monetário.

O Departamento do Trabalho informou nesta terça-feira que o resultado do índice de preços no mês passado deveu-se a quedas nos preços da gasolina e de gás natural, após ter caído 0,1 por cento em outubro.

Nos 12 meses até novembro, os preços ao consumidor cresceram 1,2 por cento, levemente acima do 1,0 por cento registrado em outubro, que havia sido o menor avanço desde outubro de 2009.

Economistas consultados pela Reuters esperavam que os preços subissem 0,1 por cento no mês passado e que aumentassem 1,3 por cento ante o ano anterior.

Excluindo os componentes dos preços de energia e de alimentos, o chamado núcleo do indicador subiu 0,2 por cento, após avançar 0,1 por cento durante três meses consecutivos.

Isso levou o aumento nos últimos 12 meses para 1,7 por cento.

A meta do Fed é uma inflação de 2 por cento, embora ele acompanhe uma medida que tende a ficar um pouco abaixo do índice de preços ao consumidor do Departamento do Trabalho.

Uma queda de 1,6 por cento nos preços da gasolina e de 1,8 por cento nos custos do gás natural compensaram o aumento na eletricidade, mantendo a inflação moderada no último mês.

(Reportagem de Lucia Mutikani)