Líder republicano no Senado dos EUA votará contra indicação de Yellen

terça-feira, 17 de dezembro de 2013 18:56 BRST
 

Por Richard Cowan

WASHINGTON, 17 Dez (Reuters) - O líder republicano no Senado dos Estados Unidos, Mitch McConnell, disse nesta terça-feira que vai se opor à indicação de Janet Yellen para chefiar o Federal Reserve, banco central do país, citando preocupações com a sua disposição para defender o dólar.

Mesmo assim, a expectativa é que o nome de Yellen seja aprovado pelo Senado ainda nesta semana. McConnell afirmou ter preocupações com o comprometimento de Yellen "com a função mais importante do banco central: manter o poder de compra do dólar".

"Após anos de estímulos federais, precisamos de um chairman do Fed que esteja inquestionavelmente comprometido com um dólar forte", afirmou McConnell em comunicado.

Yellen, atualmente vice-chair do Fed, foi indicada pelo presidente Barack Obama para substituir Ben Bernanke no comando do banco central norte-americano.

McConnell também ressaltou que apoia a legislação proposta pelo senador de Kentucky Rand Paul que estabeleceria auditorias regulares sobre as deliberações e a política monetária do Fed. McConnell está concorrendo à reeleição e enfrentará em 2014 o desafio de um candidato apoiado pelo Tea Party, além de um rival democrata.

O Fed, sob o comando de Ben Bernanke, tem comprado 85 bilhões de dólares em títulos ao mês desde setembro de 2013, na terceira rodada do chamado "quantitative easing", com o objetivo de reduzir as taxas de juros de longo prazo e promover o investimento e o emprego.

Autoridades deram início nesta terça-feira à reunião de dois dias em que debaterão o futuro desse programa, embora a maioria dos economistas espere que mantenham o estímulo inalterado até o próximo ano.

Críticos do programa de compra de títulos temem que as medidas expansionistas do Fed podem desviar investimento para países com taxas de juros mais altas, enfraquecendo o dólar. Integrantes do Fed tipicamente argumentam que o programa tem o objetivo de impulsionar a economia norte-americana e Bernanke já disse que suas políticas são consistentes com um dólar forte.   Continuação...