Em dia de reunião do Fed, dólar sobe 0,87% ante o real

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013 19:03 BRST
 

Por Tiago Pariz e Bruno Federowski

SÃO PAULO, 18 Dez (Reuters) - Em dia de reunião do Federal Reserve, banco central norte-americano, o dólar fechou com alta de cerca de 1 por cento ante o real nesta quarta-feira, num movimento especulativo concentrado no mercado futuro.

A moeda nortea-americana avançou 0,87 por cento, para 2,3426 reais na venda, interrompendo três sessões de quedas consecutivas. Segundo dados da BM&F, o volume de negociação ficou em torno de 2,1 bilhões de dólares.

A sessão foi tomada por cautela e o mercado estava muito sensível diante da possibilidade de o Federal Reserve anunciar após o fechamento a redução do programa de estímulos, segundo o especialista em câmbio da corretora Icap, Italo dos Santos, referindo-se à avaliação do mercado antes da divulgação do resultado da reunião da autoridade monetária.

Autoridades do Fed reuniram-se à tarde para decidir o futuro do programa de estímulo monetário. A expectativa era de manutenção do ritmo de compra de títulos em 85 bilhões de dólares ao mês, mas o banco central norte-americano decidiu reduzir em 10 bilhões de dólares suas intervenções.

A decisão deverá se refletir em um movimento de valorização limitada do dólar em relação ao real nas próximas sessões, segundo o gerente de operações do banco Confidence, Felipe Pellegrini. "A gente pode ver esse mercado atingindo novas altas até o fim do ano, mas não vejo esse dólar passando de 2,40 reais neste ano", emendou.

A redução do estímulo impactou nas negociações do mercado futuro. O dólar com vencimento para janeiro de 2014 chegou a subir cerca de 2 por cento logo em seguida ao comunicado do Fed, mas perdeu força em seguida para fechar com alta de 0,49 por cento.

ESPECULAÇÃO

Segundo analistas, o fortalecimento da moeda norte-americana neste pregão foi alimentado por um movimento especulativo concentrado no mercado futuro, com alguns investidores tentando antecipar uma eventual decisão do Fed que indicasse com mais força a redução de estímulos.   Continuação...