Brasil fará consulta sobre retaliação a EUA por subsídio ao algodão

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013 20:31 BRST
 

SÃO PAULO, 18 Dez (Reuters) - O Brasil vai realizar consultas públicas para avaliar possível retaliação contra os Estados Unidos por conta da interrupção dos pagamentos aos produtores brasileiros de algodão, como compensação pelas perdas geradas pelos subsídios concedidos aos produtores norte-americanos da pluma, informou nesta quarta-feira a Câmara de Comércio Exterior (Camex).

A decisão de realizar a consulta pública veio depois que os EUA interromperam, em setembro, os pagamentos feitos ao Instituto Brasileiro do Algodão, desde 2010, no valor total de 147,3 milhões de dólares por ano.

Os pagamentos, que visam financiar atividades de cooperação e assistência técnica aos cotonicultores brasileiros, deveriam ter sido mantidos até que fosse aprovada uma nova legislação agrícola nos Estados Unidos. O Brasil garantiu o direito de retaliar os EUA pelo não cumprimento do acordo, após vencer a disputa na Organização Mundial do Comércio OMC.

Somente neste ano, segundo a Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), o Brasil deverá ter prejuízos de cerca de 600 milhões de dólares por conta dos subsídios norte-americanos, que distorcem os preços no mercado internacional, afetando as exportações brasileiras.

"Nossos prejuízos têm sido muito maiores... Se não fossem os subsídios, os EUA teriam reduzido produção e o preço subiria. A decisão da Camex nos dá maior poder de pressão para que se cumpra o que foi prometido na OMC", disse à Reuters o presidente da Abrapa, Gilson Pinesso.

As consultas públicas serão realizadas a partir de 2 de janeiro e as partes interessadas poderão se pronunciar até o final de janeiro.

A Camex também determinou a continuidade dos trabalhos do grupo técnico criado para identificar, avaliar e formular propostas de implementação de retaliações até 28 de fevereiro de 2014, que devem balizar a decisão sobre tais medidas.

"As consultas são ato preparatório para eventual retaliação", disse o órgão em comunicado.

Atualmente, o Brasil é o quarto maior nas exportações de algodão, com embarques estimados pela Abrapa em 700 mil toneladas, ante 810 mil toneladas de 2012.

Os Estados Unidos são os maiores exportadores globais de algodão, com vendas projetadas este ano em 2,38 milhões de toneladas, de acordo com a associação internacional (Icac).

(Por Fabíola Gomes)