Tubarão Martelo, terá caixa positivo em agosto de 2014, prevê ex-OGX

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013 18:12 BRST
 

SÃO PAULO, 26 Dez (Reuters) - A Oléo e Gás Participações, ex-OGX, prevê fluxo de caixa positivo para as operações de Tubarão Martelo e Tubarão Azul, na Bacia de Campos, em agosto de 2014, segundo documento divulgado ao mercado nesta quinta-feira.

O fluxo de caixa consolidado da empresa, no entanto, continuará negativo ao final do ano que vem, em mais de 100 milhões de dólares, considerando despesas com o BS-4, com previsão de receita somente em 2017, entre outras.

As informações, antes confidenciais, foram fornecidas ao mercado após a petroleira de Eike Batista, em recuperação judicial, anunciar na véspera de Natal acordo com detentores de bônus de 3,8 bilhões de dólares, um avanço que pode abrir a porta para uma reestruturação bem-sucedida da empresa.

Em agosto do ano que vem, a Óleo e Gás prevê fluxo de caixa positivo de 10,8 milhões de dólares para as operações dos campos de Tubarão Martelo e Tubarão Azul --para este último, considerando somente alguns meses de produção. Depois, essa situação de contas no azul se repetiria mensalmente até dezembro de 2014, quando ex-OGX prevê saldo de caixa de 63,3 milhões de dólares.

A empresa destacou, no entanto, que para manter os investimentos em Tubarão Martelo (principal aposta para a sobrevivência da empresa) precisa de financiamentos no valor de 150 milhões de dólares em abril de 2014.

Para 2015, entretanto, o fluxo dos principais ativos da ex-OGX volta a ficar negativo, em 255,7 milhões de dólares. O saldo ficaria azul novamente a partir de 2017, segundo o plano de longo prazo, que prevê um "farm-out" do campo (venda de participação) para investimentos.

A ex-OGX informou no dia 6 de dezembro que começou a produzir em Tubarão Martelo. Quatro dos sete poços previstos pela petroleira para alimentar a produção do campo estarão produzindo até maio do próximo ano.

GASTOS COM BS-4

O documento aponta ainda despesas milionárias nos próximos anos na área de outro bloco, o BS-4, com previsão de receita somente em 2017.   Continuação...