Invepar vence leilão da rodovia BR-040 com deságio de 61,13%

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013 11:10 BRST
 

SÃO PAULO, 27 Dez (Reuters) - A Invepar venceu nesta sexta-feira a disputa pela concessão do trecho da BR-040 (DF/GO/MG), no quinto e último leilão de rodovia federal deste ano, ao fazer oferta com deságio de 61,13 por cento sobre a tarifa de pedágio máxima permitida pelo governo.

A Invepar --que tem como sócios os fundos de pensão Petros e Funcef, um fundo de investimento do Banco do Brasil e o grupo OAS-- apresentou proposta de cobrança de 3,22528 reais por praça. A tarifa-teto prevista no edital era de 8,29763 reais por praça de pedágio para veículos de passeio.

Os leilões de rodovias são parte do plano do governo da presidente Dilma Rousseff de melhorar a infraestrutura logística do Brasil, um dos principais entraves para o crescimento econômico. A iniciativa também inclui a concessão de aeroportos, ferrovias e portos.

O deságio na concorrência desta sexta-feira foi o maior de 2013 nas licitações de rodovias federais. Nos leilões anteriores, ele variou de 42 por cento na BR-050 a 52,74 por cento no trecho da BR-163 no Mato Grosso do Sul.

No total, oito grupos apresentaram ofertas na licitação desta manhã da BR-040, que liga Brasília(DF) a Juiz de Fora (MG). A segunda melhor proposta foi feita pelo Consórcio Via Capital, liderado pela Ecorodovias, com tarifa de 4,59439 reais por praça, o equivalente a um deságio de 44,63 por cento.

Também participaram do leilão as empresas Triunfo, Queiroz Galvão, CCR e Contern Construções e Comércio. Dois consórcios foram liderados por Fidens Engenharia e Encalso Construções, respectivamente.

(Por Roberta Vilas Boas)

 
Motorista de caminhão com os pés no painel conforme espera para descarregar seu carregamento de grãos de cereais em Alto de Araguaia. A Invepar venceu nesta sexta-feira a disputa pela concessão do trecho da BR-040 (DF/GO/MG), no quinto e último leilão de rodovia federal deste ano, ao fazer oferta com deságio de 61,13 por cento sobre a tarifa de pedágio máxima permitida pelo governo. 24/09/2012 REUTERS/Nacho Doce