Médicos e hospitais dos EUA aguardam confusão no início do "Obamacare"

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014 13:54 BRST
 

Por Lewis Krauskopf e Julie Steenhuysen

1 Jan (Reuters) - Hospitais e agentes de saúde de todas as partes dos Estados Unidos se preparavam para confusão e dificuldades administrativas nesta quarta-feira com a entrada em vigor dos planos de saúde previstos na nova lei do setor criada pelo presidente Barack Obama.

Mais de 2 milhões de pessoas se inscreveram nos planos privados oferecidos sob a chamada Lei de Assistência Acessível, popularmente conhecida como "Obamacare", durante o período inicial de adesão para benefícios que começam neste 1 de janeiro.

As inscrições começaram em outubro e continuam até março, mas norte-americanos na maioria dos Estados tiveram que dar entrada na papelada até a semana passada para garantir cobertura já no ano novo.

Depois de dificuldades no lançamento em outubro, atribuídas a problemas com a página do programa na internet, o foco agora para o governo e empresas operadoras está no que acontecerá nesta quarta-feira, quando pacientes com novas coberturas começarem e buscar auxílio.

Para começar, confirmar o plano de cada paciente pode trazer dores de cabeça para as empresas. A administração Obama já admitiu que houve erros na transmissão dos dados de inscrição para as seguradoras, especialmente no período inicial de adesão.

Embora autoridades do governo digam que conseguiram melhorar dramaticamente o processo, operadoras de planos de saúde estão preocupadas com problemas ou atrasos na verificação da cobertura para os pacientes.

"Será difícil para nós verificar realmente a cobertura, esta é minha preocupação", disse o Dr. William Wulf, presidente da operadora Central Ohio Primary Care, que conta com 250 médicos.

A tarefa pode ser dificultada pela decisão do governo norte-americano e de muitos Estados de adiar o prazo de adesão para o fim do ano e de permitir que alguns pacientes paguem as mensalidades ao longo de janeiro retroativas ao início do mês.

Os prazos apertados podem significar que muitos pacientes que busquem auxílio num primeiro momento não tenham carteirinhas ou outras provas de cobertura.

(Reportagem adicional de Susan Cornwell em Washington)

 
Presidente dos EUA, Barack Obama, fala com militares durante visita de Natal à Base do Corpo de Fuzileiros do Hawai, 25 de dezembro de 2013. Hospitais e agentes de saúde de todas as partes dos Estados Unidos se preparavam para confusão e dificuldades administrativas nesta quarta-feira com a entrada em vigor dos planos de saúde previstos na nova lei do setor criada pelo presidente Barack Obama. REUTERS/Kevin Lamarque