2 de Janeiro de 2014 / às 19:35 / 4 anos atrás

Analistas recomendam ações defensivas e de exportadoras para janeiro

Por Priscila Jordão

SÃO PAULO, 2 Jan (Reuters) - As recomendações para investimentos em ações brasileiras em janeiro dão foco a setores defensivos e que conseguem se beneficiar da perspectiva de alta do dólar, em meio à falta de tendência clara para a Bovespa e visão de que 2014 deve ser um ano desafiador para a economia doméstica.

O Ibovespa, principal índice da bolsa paulista, não conseguiu acompanhar o desempenho externo positivo em dezembro e recuou 1,86 por cento no mês, acumulando em 2013 queda superior a 15 por cento.

A performance no mês passado reforçou a estratégia de seletividade de especialistas, mostraram as carteiras recomendadas para janeiro obtidas pela Reuters.

A Citi Corretora distribuiu a participação de sua carteira entre companhias defensivas como Localiza e BB Seguridade; empresas que se beneficiam do dólar mais valorizado, como Fibria e Gerdau, e companhias que vivem em um bom momento, como Mills.

Segundo analistas da corretora, a Mills deve ser favorecida pelos recentes leilões de concessão de projetos de infraestrutura, que podem impulsionar a demanda de aluguel de equipamentos pesados e soluções de engenharia da empresa.

Por sua vez, o crescimento da locadora de veículos Localiza deve ser beneficiado pelos grandes eventos que ocorrerão em 2014, como Copa do Mundo e eleições presidenciais, de acordo com a Citi Corretora.

A Localiza também aparece na carteira da Ágora Corretora, ao lado de BB Seguridade.

Na visão da Ágora, a empresa de seguros, previdência e capitalização do Banco do Brasil “possui características interessantes que a tornam um caso único, como a combinação de forte geração de caixa e elevado retorno esperado via dividendos”.

Outra aposta da Ágora é a Hypermarcas, considerada bem posicionada para se beneficiar de segmentos de mercados em rápida expansão e que possuem natureza defensiva como os de farmácia e bens de consumo.

DÓLAR E APERTO MONETÁRIO

Diante da perspectiva de alta do dólar, o BTG Pactual alocou boa parte de seu portfólio para janeiro em companhias com receitas provenientes do exterior, acrescentando a exportadora Suzano Papel e Celulose às suas recomendações, ao lado de Vale.

“Esperamos que o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, na sigla em inglês) da Suzano salte em 2014 devido à nova capacidade da fábrica no Maranhão e custos reduzidos”, escreveu a equipe do BTG em relatório.

A Votorantim Corretora citou o setor de siderurgia e mineração entre suas preferências para o primeiro semestre, com destaque para Vale e Gerdau.

Analistas da Votorantim afirmaram que se trata de uma boa opção para enfrentar uma política macroeconômica de aperto, em meio à perspectiva de crescimento sustentável na China e à demanda por aços longos proveniente de projetos de infraestrutura.

No setor financeiro, os destaques da Votorantim ficaram com Itaú Unibanco e Santander. “Apesar de uma perspectiva mais desafiadora para 2014... acreditamos que o gerenciamento das despesas de provisão indica uma boa performance para este ano, sustentando o crescimento dos resultados”, afirmaram os analistas.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below