Produção de petróleo no Brasil fica estável em novembro

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014 17:08 BRST
 

RIO DE JANEIRO, 3 Jan (Reuters) - A produção de petróleo no Brasil ficou praticamente estagnada em novembro em relação a outubro, apesar da entrada em operação de novos sistemas produtivos da Petrobras, que responde por 92 por cento da produção nacional.

A extração de óleo alcançou 2,081 milhões de barris por dia em novembro, alta de 0,1 por cento ante outubro e de 1,8 por cento ante novembro de 2012, informou nesta sexta-feira a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Paradas programadas para manutenção de plataformas que atendem a exigências de segurança da agência reguladora têm restringido o aumento de produção de petróleo no Brasil. A estatal relatou que realizou em novembro paradas em plataformas do Polo Nordeste.

O campo de Papa-Terra, localizado na bacia de Campos e operado pela estatal, entrou em novembro em produção por meio da plataforma P-63. O volume médio de petróleo produzido no novo campo ficou em torno de 4,3 mil barris diários.

Outros dois sistemas em testes de produção no campo de Lula ajudaram a Petrobras a aumentar a produção no pré-sal da bacia de Santos.

PRÉ-SAL E QUEIMA DE GÁS

A produção no pré-sal atingiu 412 mil barris de óleo e gás natural por dia em novembro, um aumento de 10,8 por cento em relação ao mesmo anterior.

A queima de gás, que é limitada pela agência reguladora, disparou em novembro, por causa da entrada de sistemas de produção ainda sem escoamento por gasodutos no pré-sal.

"Por serem sistemas provisórios, não há linhas de escoamento do gás natural produzido, sendo quase que totalmente queimado nessas plataformas", explicou a ANP, em nota à imprensa.   Continuação...

 
Operário examina amostra de petróleo na plataforma Cidade Angra dos Reis, localizada no campo Lula, a cerca de 300km da costa do Rio de Janeiro. A produção de petróleo no Brasil ficou praticamente estagnada em novembro em relação a outubro, apesar da entrada em operação de novos sistemas produtivos da Petrobras, que responde por 92 por cento da produção nacional. 16/02/2011. REUTERS/Sergio Moraes