ENTREVISTA-Estácio avalia entrada em novos estados e mais aquisições

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014 17:30 BRST
 

Por Juliana Schincariol

RIO DE JANEIRO, 8 Jan (Reuters) - Enquanto aguarda a aval dos órgãos reguladores sobre o maior negócio de sua história, a rede de ensino Estácio Participações avalia novas aquisições de pequeno e médio portes e a entrada em mais estados do Brasil.

"A agenda de aquisições continua, não mudou a nossa estratégia de ocupação das regiões Norte, Nordeste e ter operações em todos os estados do país", disse à Reuters o diretor financeiro e de relações com investidores da Estácio, Virgílio Gibbon, em entrevista nesta quarta-feira.

A companhia, que diz ter mais de 330 mil alunos e presença em 20 estados e no Distrito Federal, ainda não atua no Amazonas, Tocantins, Rondônia e Acre. No Sul do país, tem apenas uma operação de médio porte em Porto Alegre (RS). Mas a empresa também tem planos se seguir crescendo organicamente.

"Tem alguns estados com cidades de porte médio, que a gente tem prospectado operações. Certamente teremos novidades ao longo do ano", disse.

Em setembro, a Estácio selou a compra da Uniseb por 615,3 milhões de reais em dinheiro e ações, fortalecendo-se em São Paulo e ampliando participação no ensino à distância. Sua principal atividade é em cursos de graduação e pós-graduação.

O anúncio ocorreu cinco meses após a união entre as rivais Kroton e a Anhanguera, que criou uma empresa avaliada em 13 bilhões de reais.

Segundo Gibbon, diferente da fusão das concorrentes, a compra da Uniseb é de menor complexidade, por isso a aprovação do Conselho de Administração e Defesa Econômica (Cade) deve ocorrer dentro do prazo previsto.

"Sem dúvida que neste primeiro semestre tem a aprovação do negócio. O prazo normal previsto dentro das regras é de 240 dias. Eles podem pedir prorrogação, se for o caso", afirmou.   Continuação...