Economistas cravam Selic a 10,25% esta semana e elevam projeção de IPCA em 2014 a 6%

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014 11:49 BRST
 

Por Camila Moreira

SÃO PAULO, 13 Jan (Reuters) - Economistas de instituições financeiras mantiveram a perspectiva de que a Selic será elevada em 0,25 ponto percentual nesta semana e mantiveram a projeção para a taxa básica de juros neste ano, ao mesmo tempo em que elevaram a estimativa para a inflação em 2014 a 6 por cento.

Pesquisa Focus do Banco Central divulgada nesta segunda-feira mostrou que os economistas não mudaram suas contas para a Selic neste ano, a 10,50 por, cento pela sétima semana seguida, patamar que será alcançado em fevereiro com mais um aumento de 0,25 ponto percentual.

O Comitê de Política Monetária (Copom) divulga na quarta-feira o futuro da Selic, atualmente em 10 por cento, pressionado pelo nível acima do esperado da inflação no ano passado. O IPCA encerrou 2013 com alta de 5,91 por cento, dentro da tolerância da meta oficial mas acima do resultado do ano anterior.

"Acho que a projeção desta semana já incorpora o dado do IPCA. Mas para o fim do ano, o cenário continua muito incerto. Há um conjunto de riscos e incertezas que acho que vão levar a um novo ciclo de alta lá para o fim do ano", avaliou o economista-chefe do Banco Fator, José Francisco Gonçalves para quem a Selic pode encerrar o ano em 10,50 ou 11 por cento.

Pesquisa da Reuters mostrou que 29 de 44 economistas consultados esperam que o BC eleve a Selic em 0,25 ponto percentual na quarta-feira, enquanto 14 veem alta de 0,50 ponto.

De acordo com o Focus, após alcançar 10,5 por cento em fevereiro, a Selic passaria a subir novamente em janeiro de 2015 com nova alta de 0,25 ponto. A taxa básica encerraria 2015 a 11,50 por cento, acima da projeção anterior de 11,25 por cento.

A mediana das estimativas do Top-5 de médio prazo, com as instituições que mais acertam as projeções nesse período, também vê alta de 0,25 ponto percentual nesta semana e novo aumento na mesma proporção em fevereiro.

Mas aponta nova elevação de 0,50 ponto em outubro --logo após o segundo turno das eleições presidenciais-- e de 0,25 ponto em dezembro, encerrando 2014 a 11,25 por cento. Para 2015 a perspectiva é de 11,50 por cento   Continuação...