16 de Janeiro de 2014 / às 12:11 / 4 anos atrás

Ex-CEO da GM pede a novos líderes que evitem erros passados

DETROIT, 16 Jan (Reuters) - Dan Akerson, que se aposentou como presidente-executivo da General Motors na quarta-feira, pediu a seus substitutos e a outros funcionários da principal montadora dos Estados Unidos que evitem as décadas de pensamento de curto prazo que levaram à falência da companhia em 2009.

Akerson, que foi substituído na quarta-feira pela primeira presidente-executiva mulher da indústria automotiva, Mary Barra, disse em uma sala cheia de executivos do setor que a GM não era mais “frágil” e que teria força para ter sucesso, mas precisaria manter mudanças, como uma estrutura de custos de trabalho competitiva à medida que avança.

“Essa é uma das coisas que eu tentei dar ênfase: quando tomarmos uma decisão hoje, vamos fazê-lo e nos perguntar o que os sucessores vão pensar de nós em 2043, olhando para daqui a 30 anos”, disse ele.

Akerson disse em uma conferência da Automotive News realizada em conjunto com o salão do automóvel de Detroit que as sementes de falência da GM foram lançadas em 1960, 70 e 80. Ele assumiu o cargo de CEO em 2010, antes de emergência da GM como uma empresa pública, porque acreditava que poderia recuperar a empresa.

Por Ben Klayman e Deepa Seetharaman

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below