Brasil e China pesam nas vendas do Carrefour no 4º tri

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014 13:29 BRST
 

PARIS, 16 Jan (Reuters) - O Carrefour, segundo maior grupo varejista do mundo, disse que o crescimento das vendas desacelerou no Brasil e ficou negativo na China nos últimos três meses de 2013, um baque em dois grandes mercados emergentes nos quais a companhia planeja se expandir.

As ações da empresa francesa caíam 3,24 por cento às 11h50 (horário de Brasília), depois do Carrefour também ter divulgado um avanço mais lento em hipermercados domésticos do que no trimestre anterior, embora tenha saudado um retorno ao crescimento na Espanha pela primeira vez em cinco anos.

"Foram resultados muito mistos", disseram analistas do Bernstein.

O Carrefour está lutando para reverter anos de fraco desempenho da Europa, região responsável por 65 por cento de suas vendas. Os problemas devem-se em parte a uma dependência do formato de hipermercado, em cuja introdução foi pioneiro, num momento em que clientes com pouco tempo disponível estão comprando mais localmente e online, e adquirindo bens não-alimentares de lojas especialistas.

O presidente-executivo da empresa, Georges Plassat, teve algum sucesso no mercado doméstico com a estratégia de cortar custos e reformular lojas, melhorando a competitividade de preços, simplificando as ofertas de produtos e dando mais autonomia aos gerentes das lojas.

Ele também destacou o Brasil, segundo maior mercado da empresa atrás da França, e a China como principais mercados para expansão.

Mas o Carrefour divulgou que as vendas em lojas chinesas abertas há mais de um ano caíram 3,1 por cento no quarto trimestre em comparação com um aumento de 1,1 por cento no terceiro trimestre.

O Carrefour também revelou que o crescimento das vendas comparáveis no Brasil desacelerou para 5,8 por cento, contra 8,8 por cento no terceiro trimestre.

No entanto, a empresa se comprometeu a avançar com planos de expansão na maior economia da América do Sul, e, notadamente, acelerar a aberturas de lojas da bandeira Atacadão, de autosserviço.   Continuação...

 
Vista de uma loja do Carrefour em São Paulo. O Carrefour, segundo maior grupo varejista do mundo, disse que o crescimento das vendas desacelerou no Brasil e ficou negativo na China nos últimos três meses de 2013, um baque em dois grandes mercados emergentes nos quais a companhia planeja se expandir. 24/12/2013 REUTERS/Paulo Whitaker