CORREÇÃO (OFICIAL)-Nova taxa média de desemprego no Brasil foi de 7,7% no 1º semestre de 2013--IBGE

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014 13:10 BRST
 

(Corrige no 1º parágrafo que a taxa média de desemprego em 2012 é de 7,4%, e não 7,3% como informado pelo IBGE)

RIO DE JANEIRO, 17 Jan (Reuters) - O Brasil registrou taxa média de desemprego de 7,4 por cento em 2012 e de 7,7 por cento no primeiro semestre de 2013, segundo a nova pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre mercado de trabalho divulgada nesta sexta-feira, batizada de PNAD Contínua.

O novo levantamento, que tem maior abrangência nacional e será trimestral, mostra que a taxa de desemprego foi maior do que a anteriormente anunciada via Pesquisa Mensal de Emprego (PME), que leva em consideração apenas seis regiões metropolitanas. Por ela, a taxa média de desemprego no país havia fechado 2012 em 5,5 por cento e, no primeiro semestre do ano passado, em 5,7 por cento.

A PNAD Contínua inclui 211 mil domicílios distribuídos por cerca de 3.500 municípios e também substituirá a PNAD em vigor. Atualmente, a PME reúne informações de apenas seis regiões metropolitanas e inclui cerca de 45 mil domicílios a cada mês.

De 2011 para trás, as três pesquisas (PME, PNAD e PNAD Contínua) não serão mais comparáveis. A perda da série histórica se deve à mudança na metodologia da PNAD Contínua e abrangência mais ampla da pesquisa.

Segundo a PNAD Contínua, nos primeiros três meses de 2013 a taxa de desemprego ficou em 8 por cento em todo o país e em 7,4 por cento no segundo trimestre.

A PME vai coexistir com a nova PNAD até dezembro.

(Por Rodrigo Viga Gaier)

 
Funcionários trabalham em um canteiro de obras no centro financeiro de São Paulo, a avenida Paulista. O Brasil registrou taxa média de desemprego de 7,4 por cento em 2012 e de 7,7 por cento no primeiro semestre de 2013, segundo a nova pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre mercado de trabalho divulgada nesta sexta-feira, batizada de PNAD Contínua. 29/11/2013 REUTERS/Nacho Doce