January 20, 2014 / 12:52 PM / in 4 years

Crescimento chinês fica perto de nível mais baixo em 14 anos

4 Min, DE LEITURA

Funcionário ao lado de bobinas de aço dentro de fábrica em Dalian, na província de Liaoning, China, 18 de outubro de 2013. O crescimento econômico da China por pouco não atingiu em 2013 a mínima em 14 anos, embora alguns economistas digam que a desaceleração será inevitável neste ano, à medida que autoridades e investidores se preparam para reformas difíceis. 18/10/2013China Daily

Por Kevin Yao e Aileen Wang

PEQUIM, 20 Jan (Reuters) - O crescimento econômico da China por pouco não atingiu em 2013 a mínima em 14 anos, embora alguns economistas digam que a desaceleração será inevitável neste ano, à medida que autoridades e investidores se preparam para reformas difíceis.

A chance de que a segunda maior economia do mundo possa desacelerar nos próximos meses foi reiterada nesta segunda-feira por dados que mostraram enfraquecimento do avanço do investimento e da produção industrial nos últimos meses do ano passado.

A perda de ímpeto limitou o crescimento anual da China em 7,7 por cento, mínima em seis meses, no trimestre de outubro a dezembro, uma desaceleração que, segundo alguns analistas, pode se aprofundar neste ano conforme o país suporta o fardo de curto prazo de reorganizar seu modelo de crescimento para o benefício no longo prazo.

O crescimento anual em 2013 foi de 7,7 por cento, inalterado ante 2012 e apenas levemente acima das expectativas do mercado por ritmo de expansão de 7,6 por cento, que teria sido o mais lento desde 1999.

Após 30 anos de crescimento econômico vigoroso de dois dígitos que tirou muitos milhões de chinesas da pobreza mas que também devastou o meio-ambiente, a China quer mudar o tom ao abraçar o desenvolvimento sustentável e de maior qualidade.

Isso significa reduzir a intervenção governamental para permitir que os mercados financeiros tenham maior participação na alocação de recursos, e promover o consumo doméstico ao custo de investimentos e exportações.

Dados desta segunda-feira da Agência Nacional de Estatísticas mostraram que a economia da China de 56,9 trilhões de iuanes (9,4 trilhões de dólares) ainda está muito dependente do investimento para crescer.

A formação de capital representou 54 por cento do crescimento econômico da China no ano passado, superando a porção de 50 por cento do consumo. As exportações líquidas, por outro lado, reduziram 4,4 por cento do crescimento geral.

"Não vejo nenhuma evidência de requilíbrio no ano passado", disse o economista Tim Condon, do ING em Cingapura.

Porém, há sinais de que Pequim quer controlar o investimento.

Para 2013 como um todo, o investimento em ativos fixos aumentou 19,6 por cento, o menor avanço em pelo menos 10 anos e logo abaixo das estimativas por crescimento de 19,8 por cento.

O investimento ambicioso pelos governos chineses locais que soma cerca de 3 trilhões de dólares em dívida tem estado na dianteira do impulso de investimento da China nos últimos anos, uma tendência que tem que analisada, disse o chefe da agência de estatísticas chinesa, Ma Jiantang.

"Em 2014, eu acredito que as reformas continuarão a ser as principais forças propulsoras para o crescimento econômico", acrescentou Ma.

Bom Desempenho

A leve desaceleração do crescimento da China é vista pela maioria dos especialistas como algo inevitável, à medida que o país muda para o desenvolvimento de melhor qualidade.

"De modo geral, a economia chinesa está tendo bom desempenho durante sua fase de ajuste", disse o economista-chefe para a China da IHS Global Insight, Brian Jackson.

Porém, não restam muitas dúvidas de que a economia chinesa está perdendo fôlego.

O crescimento da produção industrial ficou em 9,7 por cento em dezembro ante o ano anterior, mínima em cinco meses, na medida em que as fábricas lutaram com demanda interna e externa mais fracas.

Uma minoria de analistas preveem que a economia da China possa acelerar neste ano, frustrando a crença predominante de que o crescimento irá se enfraquecer para abrir espaço para as reformas.

O Deutsche Bank espera que o crescimento chinês acelere para 8,6 por cento neste ano, enquanto o RBS vê 8,2 por cento.

Fontes dos principais institutos de pesquisa disseram à Reuters que o governo provavelmente deve manter sua meta de 7,5 por cento de crescimento econômico novamente em 2014.

Reportagem adicional de Shao Xiaoyi e Jonathan Standing

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below