Executivos do UBS pedem clareza sobre novas regras de regulação bancária

terça-feira, 21 de janeiro de 2014 15:57 BRST
 

ZURIQUE, 21 Jan (Reuters) - O banco UBS pediu aos reguladores globais que sejam mais claros sobre como irão frear a assunção de risco nos negócios tradicionais dos bancos, em oposição aos bancos de investimento, afirmando que um erro pode colocar o crescimento em perigo.

O presidente do Conselho do banco suíço, Axel Weber, e o presidente-executivo, Sergio Ermotti, realçaram o exemplo do nível de alavancagem em editorial publicado no Wall Street Journal, no momento em que reguladores americanos, europeus e asiáticos reunem-se esta semana para o encontro anual em Davos.

"Isso deixa questões sobre o estímulo ao crescimento, particularmente à luz de pedidos de alguns de aumento nos níveis de alavancagem acima dos padrões internacionais de 3 por cento", escreveram os dois banqueiros.

A taxa de alavancagem age como um escudo para os requisitos de capital mínimo dos bancos. Uma taxa de 3 por cento significa que o banco precisa ter capital equivalente a 3 por cento do total de empréstimos, independentemente do risco.

Reguladores bancários globais estão divididos sobre a possibilidade de fixar o nível global mínimo em 3 por cento ou mais.

Weber e Ermotti do UBS reclamaram que as regras de alavancagem estabelecidas pelo acordo mundial de Basileia III não distinguem entre ativos de qualidade e de risco, o que pode forçar bancos a reduzir ativos de alta qualidade para reforçar os níveis de alavancagem e rentabilidade.

"Esses bancos teriam menos proteção contra os riscos de liquidez, aumentando assim a instabilidade --certamente não a conseqüência pretendida", escreveram os dois banqueiros.

(Por Katharina Bart)