CEOs demonstram maior otimismo com economia; mercados emergentes preocupam

terça-feira, 21 de janeiro de 2014 20:06 BRST
 

Por Ben Hirschler

DAVOS, Suíça, 21 Jan (Reuters) - Líderes empresariais que participam do Fórum Econômico Mundial, em Davos, estão se sentindo um pouco melhor em relação ao prospecto para as suas empresas e muito mais ainda sobre a perspectiva mais ampla para a economia.

Mas eles ainda têm uma longa lista de preocupações.

Meia década após a crise financeira que arrastou a economia mundial para a beira do abismo, as ameaças imediatas para os lucros empresariais estão diminuindo e executivos estão sendo encorajados por uma perspectiva mais otimista nos Estados Unidos e na Europa.

No entanto, eles não precisam ir muito longe para encontrar ameaças futuras: desde a desaceleração preocupante nos mercados emergentes a incertezas sobre a redução do programa de estímulo do Federal Reserve e apreensão com o aumento da regulação.

A pesquisa anual da PricewaterhouseCoopers (PwC) com mais de 1.300 presidentes-executivos revelou que 39 por cento estão "muito confiantes" que a receita de suas empresas irão crescer em 2014, contra 36 por cento um ano atrás.

Embora a tendência seja encorajadora, a leitura ainda está abaixo dos níveis de 50 por cento vistos em 2007 e 2008, ressaltando como a volta do crescimento ainda continua frágil e incerta.

Significativamente, os CEOs estão mais otimistas com as perspectivas macroeconômicas do que com as de suas próprias empresas. O levantamento mostrou que 44 por cento acreditam que a economia global vai melhorar nos próximos 12 meses, contra apenas 18 por cento um ano atrás.

A diferença reflete o fato de que as questões econômicas não são as únicas pesando na mente dos executivos, de acordo com o presidente da PwC International, Dennis Nally, que apresentou os resultados na véspera do Fórum Econômico Mundial, que ocorre entre 22 e 25 de janeiro.   Continuação...