FMI diz que cumprimento da meta de inflação do BC japonês deve levar mais que 2 anos

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014 07:46 BRST
 

Por Stanley White

TÓQUIO, 23 Jan (Reuters) - A economia do Japão dever levar mais tempo do que o cronograma oficial de dois anos para alcançar a meta de inflação do banco central de 2 por cento, mesmo que os preços estejam avançando de modo estável, disse o vice-diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Naoyuki Shinohara, nesta quinta-feira.

Contanto que haja avanço, não há necessidade de o banco central do país ampliar seu programa de "quantitative easing", sob o qual compra dívida do governo e ativos de risco, segundo Shinohara.

O presidente do BC japonês, Haruhiko Kuroda, tem expressado crescente confiança de que os preços ao consumidor alcançarão a meta em dois anos, embora os comentários do FMI destaquem um ceticismo considerável entre economistas do setor privado.

"Desde que haja avanço na direção da meta de 2 por cento de inflação, não vemos necessidade de maior expansionismo monetário", disse Shinohara, de acordo com texto de discurso em seminário em Tóquio.

"Mas a comunicação terá que focar na gestão das expectativas já que provavelmente levará mais que dois anos (para atingir a meta)".