Dólar sobe mais de 1% e se aproxima de R$2,43 com Fed e preocupação com emergentes

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014 17:15 BRST
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO, 27 Jan (Reuters) - O dólar subiu mais de 1 por cento nesta segunda-feira e voltou a se aproximar do nível de 2,43 reais, com investidores se protegendo da possível aceleração da redução do estímulo econômico nos Estados Unidos e sob fluxos de saída de divisa, apesar das expectativas de que o Banco Central brasileiro possa intensificar suas intervenções.

Pesou ainda a aversão a risco sobre os mercados emergentes que tem afetado os mercados financeiros nos últimos dias.

A moeda norte-americana avançou 1,17 por cento, a 2,4260 reais na venda após bater 2,4276 reais na máxima e 2,3910 reais na mínima do dia. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 1,4 bilhão de dólares.

"A preocupação do mercado continua sendo se resguardar da decisão do Fed. Qualquer vacilo acaba levando o pessoal a se proteger", afirmou o gerente de câmbio da corretora Treviso, Reginaldo Galhardo.

Investidores trabalham sob expectativa de que o Fed possa anunciar na quarta-feira mais um corte de 10 bilhões de dólares em seu programa de compras mensais de títulos, ante os atuais 75 bilhões de dólares, reduzindo ainda mais a oferta global de liquidez.

Mas o mercado ainda especula sobre a possibilidade de que o banco central norte-americano acelere o processo de retirada do estímulo, adicionando um componente de incerteza nas praças financeiras.

Desde a semana passada, somou-se a essa ansiedade uma onda global de preocupação com a situação econômica dos mercados emergentes. Só na última quinta-feira, o peso argentino desabou 11 por cento sobre o dólar.

Contudo, analistas afirmam que a perspectiva de que o Banco Central brasileiro possa intensificar as atuações de forma a evitar que o fortalecimento do dólar contamine a inflação tende a amortecer os movimentos do câmbio do mercado doméstico.   Continuação...