Hidrelétrica Belo Monte tem cerca de 45% das obras civis concluídas

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014 13:25 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A usina hidrelétrica Belo Monte (PA), no rio Xingu, está com cerca de 45 por cento das obras civis concluídas, segundo balanço da empresa responsável pelo empreendimento, e entra na fase de conclusão da primeira etapa da montagem eletromecânica em um dos canteiros.

A Norte Energia, responsável pelo empreendimento, informou nesta quarta-feira que a primeira etapa da montagem eletromecânica do sítio Pimental entra em fase de conclusão e até 31 de janeiro os engenheiros e operários terminam de revestir os tubos de sucção das turbinas 5 e 6.

"Com o trabalho na base das seis turbinas, mais uma etapa da concretagem da Casa de Força Complementar da Usina Hidrelétrica Belo Monte estará liberada, em conformidade com o cronograma das obras civis", informou a empresa em nota.

O gerente de Montagem Eletromecânica do sítio Pimental, Luiz Horta, acrescentou que com a conclusão da primeira parte da montagem eletromecânica, o trabalho em concreto e aço deve avançar em um ritmo mais acelerado.

A hidrelétrica Belo Monte terá 11,2 mil megawatts (MW) de potência instalada quando estiver concluída. A usina, licitada em 2010, teve as obras iniciadas em 2011 e já sofreu diversas paralisações em canteiros de obras por manifestações de indígenas e ativistas contrários aos empreendimento e por trabalhadores.

A primeira unidade geradora da usina deve entrar em operação comercial em 2015.

Entre os acionistas da Norte Energia estão Eletrobras, fundos Petros e Funcef, Neoenergia, Cemig e Light.

(Por Anna Flávia Rochas)

 
Vista geral do canteiro de obras da hidrelétrica de Belo Monte, em Pimental, próximo ao município de Altamira, no Pará. A usina hidrelétrica Belo Monte, no rio Xingu, está com cerca de 45 por cento das obras civis concluídas, segundo balanço da empresa responsável pelo empreendimento, e entra na fase de conclusão da primeira etapa da montagem eletromecânica em um dos canteiros. 23/11/2013. REUTERS/Paulo Santos