Renault-Nissan estende meta de sinergias em 2016

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014 17:09 BRST
 

Por Laurence Frost e Gilles Guillaume

PARIS, 30 Jan (Reuters) - A Renault e sua sócia Nissan elevaram nesta quinta-feira a meta de ganhos de sinergias, prometendo estender a cooperação no desenvolvimento e produção de veículos, enquanto a competição global se aprofunda entre as montadoras.

A união das duas trará cortes de custos de pelo menos 4,3 bilhões de euros (5,8 bilhões de dólares) em 2016, disseram as empresas, ante meta anterior de 4 bilhões de euros anunciada em 2012, quando a sinergia somou 2,7 bilhões de euros.

A Renault e sua sócia japonesa, na qual detém 43,4 por cento do capital, estão "focadas em melhorar o desempenho operacional", disseram em comunicado, enquanto o presidente-executivo Carlos Ghosn apresentava as novas metas em reunião interna de dois dias em Amsterdã.

Ghosn também nomeou executivos para liderar os esforços para convergir fabricação, pesquisa, desenvolvimento e recursos humanos.

Pressionadas pelo aumento dos custos de regulação das emissões e competição mais acirrada em mercados emergentes, onde a demanda está desacelerando, as montadoras estão procurando ganhos de escala através de fusões, alianças e acordos de produção.

Em quase 15 anos de aliança, Renault e Nissan estão trabalhando continuamente para reunir mais peças, tecnologia e linhas de produção em nível mundial.

A Renault-Nissan fica atrás de Volkswagen, Hyundai-Kia e Toyota em escala de plataforma -total de veículos montados numa arquitetura comum.

A queda de seis anos no mercado europeu ajudou a convencer os gestores em ambas as montadoras a abraçar uma integração mais profunda.

A apresentação de Ghosn aconteceu um dia após o chefe da Fiat, Sergio Marchionne, anunciar um plano de fundir a italiana com a Chrysler seguindo-se a acordo com sua sócia minoritária.