ArcelorMittal diz que reforma energética na Alemanha afetará investimentos

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014 09:29 BRST
 

FRANKFURT/DÜSSELDORF (Reuters) - A ArcelorMittal, maior grupo siderúrgico do mundo, alertou que a proposta de reforma do setor de energia da Alemanha pode levar as empresas a reduzirem investimentos diante de maior dificuldade para se obter lucro na maior economia da Europa.

Na semana passada, o governo alemão aprovou um plano do ministro de Economia, Sigmar Gabriel, para reformar a maneira pela qual a Alemanha apoia a produção de energia renovável, incluindo exigências para que auto-produtores de eletricidade comecem a pagar encargos.

"Ninguém está dizendo que vamos começar a fechar unidades amanhã", disse Frank Schulz, chefe dos negócios da ArcelorMittal na Alemanha, à Reuters. "Mas se as ameaças se tornarem mais concretas agora, empresas elevarão a cautela sobre investimentos."

Schulz disse que a reforma implicaria em 30 milhões de euros (40,7 milhões de dólares) de custos operacionais por ano nas quatro usinas da ArcelorMittal, que empregam cerca de 8 mil pessoas e deram prejuízo em 2012.

"Os planos de Gabriel têm que mudar", disse Schulz, ecoando as críticas de outras empresas industriais operando na Alemanha, como a siderúrgica ThyssenKrupp e a gigante de produtos químicos Basf.