Itaú diz que Receita confirma autuação sobre fusão com Unibanco

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014 15:26 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O Itaú Unibanco divulgou nesta segunda-feira que foi intimado em 30 de janeiro pela Receita Federal sobre decisão não unânime em que o Fisco cobra da instituição financeira bilhões de reais em impostos relacionados à fusão que originou o maior banco privado do país em 2008.

O banco foi autuado pela Receita em agosto do ano passado em cerca de 18,7 bilhões de reais relacionados aos instrumentos contábeis usados para a unificação das operações.

A instituição reafirmou em comunicado que vai recorrer junto ao Conselho Administrativo de Recursos Fiscais e que considera "remoto" o risco de perda na cobrança, acrescentando que a fusão feita em 2008 foi aprovada pelos acionistas das instituições, e posteriormente sancionadas pelas autoridades competentes.

Procurado, o banco informou que não comentará o assunto além do comunicado divulgado nesta segunda-feira.

De acordo com as informações dadas pelo banco em agosto, a Receita Federal autuou a instituição financeira, cobrando 11,845 bilhões de reais em Imposto de Renda, além de 6,867 bilhões em Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), acrescidos de multa e juros.

Na ocasião, o Itaú afirmou que a Receita discordava da forma societária adotada para unificar as operações com o Unibanco, ressaltando, porém, que a operação sugerida pelo Fisco não poderia ser usada porque não encontrava respaldo nas normas aplicáveis a instituições financeiras.

Às 10h21, a ação do banco operava em baixa de 0,56 por cento, a 30,10 reais, enquanto o Ibovespa caía 0,33 por cento.

O Itaú Unibanco divulga resultado de quarto trimestre na terça-feira.

(Por Roberta Vilas Boas)

 
Fachada de uma agência bancária do Itaú no Rio de Janeiro. O Itaú Unibanco divulgou nesta segunda-feira que foi intimado em 30 de janeiro pela Receita Federal sobre decisão não unânime em que o Fisco cobra da instituição financeira bilhões de reais em impostos relacionados à fusão que originou o maior banco privado do país em 2008. 29/01/2014. REUTERS/Sergio Moraes