BCE mantém taxa de juros para avaliar risco de deflação

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014 11:22 BRST
 

Por Sakari Suoninen

FRANKFURT, 6 Fev (Reuters) - O Banco Central Europeu (BCE) deixou as taxas de juros inalteradas nesta quinta-feira, evitando adotar nova medida de política enquanto aguarda novas estimativas econômicas no próximo mês para avaliar o risco de deflação na zona do euro.

A inflação na zona do euro desacelerou para 0,7 por cento em janeiro, muito aquém da meta do BCE de pouco abaixo de 2 por cento.

O BCE manteve sua principal taxa de juros em 0,25 por cento e a taxa de depósito que paga aos bancos em zero, além da taxa de empréstimo em 0,75 por cento.

"Nossas expectativas para hoje eram de taxas inalteradas, embora suspeitemos que pode ter sido uma decisão apertada e que pode decepcionar algumas pessoas", disse Nick Matthews, economista do Nomura.

Operadores do mercado monetário não esperavam nenhuma alteração nas taxas, nem qualquer outra medida para combater a desaceleração da inflação ou impulsionar a zona do euro, de acordo com pesquisa da Reuters.

O BCE está ciente do fato de a inflação estar no que o presidente do banco, Mario Draghi, chamou de "zona de perigo" abaixo de 1 por cento. O banco prometeu manter as taxas nos níveis atuais ou mais baixos por um "período prolongado".

As turbulências recentes em mercados emergentes e a desaceleração da inflação em janeiro vão colocar as projeções da equipe do BCE no mês que vem em destaque --uma revisão para baixo pode provocar uma ação de política. Mas antes o mercado estará focado na entrevista à imprensa de Draghi a partir das 11h30 (horário de Brasília).

"Draghi terá agora que falar algumas palavras bem calmantes para atender às expectativas do mercado", disse Anders Svendsen, analista-chefe na Nordea.

O BCE não possui mais muita munição para impulsionar a inflação, o que pode deixá-lo relutante em agir muito rapidamente. Pode haver apenas mais um corte nas taxas de juros em seu arsenal e mesmo este pode ser menor do que o tradicional 0,25 ponto percentual.