ESPECIAL-Órgãos federais penam com cortes de gastos e miram autonomia orçamentária

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014 17:07 BRST
 

Por Aluísio Alves

SÃO PAULO, 6 Fev (Reuters) - Sem desfrutar dos crescentes gastos governamentais com custeio da máquina pública, autarquias e outros órgãos federais com orçamentos cada vez mais apertados estão se movimentando para ter maior autonomia financeira.

Já acostumados a economias sazonais de itens como energia e combustível, órgãos como a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o Banco Central, a Receita Federal, a Superintendência de Seguros Privados (Susep) e a Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc) sofreram cortes mais severos de despesas nos últimos meses, que agravaram os problemas da infraestrura precária e de falta de quadros.

Convocados a contribuir com esforços do governo para cumprir a meta fiscal, servidores passaram a conviver com rotinas espartanas, incluindo corte de metade dos veículos de serviço, adiamento do pagamento de diárias para serviços externos, racionamento do uso de elevadores, impressoras, Internet e até de telefone.

"Tivemos que fazer vaquinha para comprar café e copos descartáveis (no fim do ano)", disse à Reuters uma servidora do BC, que pediu para não ser identificada.

Isso sem contar a suspensão de operações externas, incluindo fiscalização e investigações de crimes tributários e sonegação de impostos. Tudo para se adequar ao pedido, que chegou apenas no mês de setembro, de corte de cerca de 25 por cento no orçamento de 2013.

Segundo o presidente interino do sindicato dos funcionários do BC (Sinal), Eduardo Stalin Silva, os cortes no órgão foram mais drásticos porque a autoridade monetária tinha que dar exemplo de austeridade fiscal.

Em nota, o BC disse que os cortes afetaram serviços como limpeza, transporte, comunicação, entre outros, "mas não redundaram em prejuízos às atividades finalísticas da instituição.

Medidas semelhantes, no entanto, chegaram a outros órgãos. Agentes da Polícia Federal, por exemplo, deixaram de receber antecipadamente as diárias para fazer diligências externas.   Continuação...