ENTREVISTA-Maior cooperativa do país prevê quebra de safra de soja por seca

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014 16:05 BRST
 

Por Gustavo Bonato

SÃO PAULO, 7 Fev (Reuters) - A seca das últimas semanas vai provocar perdas em áreas de soja cultivas por cooperados da Coamo, maior cooperativa agrícola do país, com sede em Campo Mourão, no Paraná, disse o presidente da entidade, em entrevista à Reuters.

"Temos aí uma seca grave. Então tem uma quebra", afirmou o presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini.

A cooperativa tem forte atuação no Paraná, mas também opera unidades de recebimento de grãos em Santa Catarina e Mato Grosso do Sul.

Sozinha, a entidade deve receber cerca de 5 por cento da safra brasileira de soja em 2013/14, ou 4,2 milhões de toneladas em uma colheita nacional de 90 milhões de toneladas. A estimativa foi feita ainda sem considerar efeitos do clima nas últimas semanas.

Segundo Gallassini, a estimativa inicial era de que os cooperados da Coamo conseguissem colher em média 62 sacas por hectare, contra a média nacional de 51 sacas.

"Se chovesse hoje --e não vai chover-- é uma quebra. Se chover daqui 10 dias, aí a coisa é violenta. Precisamos esperar para ver", disse o executivo.

A Somar Meteorologia disse nesta sexta-feira que o bloqueio atmosférico que impede a entrada de frentes frias chuvosas no Sul e Sudeste do país vai deixar de atuar em cerca de 10 dias, a partir de 17 de fevereiro.

"E não é tanto a falta de umidade como é o excesso de temperatura que prejudica a soja", disse ele.   Continuação...